quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Não há uma sem duas. Duas sem três. Três sem quatro e, já agora, quatro sem 5. ;)
Dentro de 2 dias, estou indo nessa!
 B. e A.

domingo, 23 de agosto de 2015

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Hoje a ver televisão de manhã e a pensar. Imagine-se que eu tinha ido passar o fim de semana a Paris e no regresso me diziam que eu não ia ter voo a não ser no dia 10 e que só me restava vir enfiado num autocarro ao longo de 1600 km. Pior que pensar isto é pensar que se eu tivesse tido a ideia de ir passar o fim de semana a Paris seria de certeza a mim que isto me iria acontecer. Era certinho.
B. e A.

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Faz hoje oito dias fui outra vez a Marrocos de carro. Parti de casa à meia-noite para apanhar o barco em Algeciras às sete e meia da manhã. Claro que não perdi o barco por sorte porque arranjei forma de me atrasar duas horas pelo caminho. Depois foi fazer a viagem numa luta constante contra o sono porque não perco a mania de acordar por volta das 6 da manhã todos os dias. Houve alturas em me senti a dormir de olhos abertos. Cheguei ao barco e aterrei. Depois correu tudo bem na fronteira e uma vez que me enganei no caminho fiz um outro percurso, junto à costa Este: maravilhoso. O verdinho, com o mar ao lado e a neve nas montanhas. Mesmo giro. Mesmo antes de chegar a Chefschoen já tinha comprado umas porcarias na rua. Adoro aquela terra. É das terras mais bonitas que conheço. 
Dois dias depois fui para Fès. A viagem foi outro enredo. Uma multa de excesso de velocidade, 10 km a seguir, apanhei outra mas desta vez consegui dar a volta ao polícia e não paguei. Depois , no maior dos cuidados, cheguei a Fès. À chegada um stresse daqueles que não vou escrever aqui mas que me condicionou o resto da viagem e me fez voltar um dia mais cedo. Gostei de Fès, mas foi uma cidade que ficou vista e que não sei se lá vou voltar. A medina é um labirinto e de cada vez que necessitamos de qualquer tipo de informação, temos de levar com o Marroquino atrás até ele nos levar ao local e ficar à espera da "propina". Sempre quis ir ao local onde se fazem os curtumes (já tinha visto fotos e tinha gostado das cores). Esperava um mau cheiro maior do que afinal aquilo tem. Levei os dias todos à procura de uma mesa e consegui voltar para casa sem ela. Inacreditavelmente não achei uma mesa gira e com as dimensões que eu queria. Até à fábrica onde elas se fazem fui e nada. Segunda-feira (um dia antes do previsto) voltei. Uma viagem de carro de 18 horas. Mais uma vez não perdi o último barco do dia por um triz. Cheguei completamente morto a casa. No dia seguinte estava doente. Até agora não percebo se fiquei doente por causa do cansaço ou se foi por ter apanhado algum vírus por lá, mas inclino-me mais para a primeira hipótese. 
Agora algumas fotos.










 B. e A.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Ora vamos lá fazer o balanço da dieta. Comecei a fazer aquilo no maior dos empenhos. Ao ponto de passadas as duas primeiras semanas já ter perdido os 5 kg que queria. Nesse momento resolvi fazer uma pausa. Pausa essa que me encheu de remorsos. Fiz bombons dos simples, dos recheados com avelã, de caramelo (com o chocolate equivalente a 4 ou 5 tabeletes). Enfim, fiz quase todos os que havia para fazer no livro chocolate da bimby e comi-os todos em dois dias. Depois optei por fazer um pudim de laranja do livro 30, trinta, 30, também da bimby. Comi-o no dia em que fiz. O que me apetecia mesmo, mesmo, mesmo era a porra da mousse de maracujá, mas isso achava eu que não era boa ideia na medida que levava uma lata de leite condensado. É que, por norma, quando a faço, enfardo-a também no próprio dia. Aliás, nos últimos tempos já não me dava sequer ao trabalho de deitar para tacinhas de sobremesa. Comia direto da taça grande. Noutro dia resolvi ir comprar um frango assado e inovei com uma coisa que nem nunca fazia. Comprei também um monte de batatas fritas e comi-as todas. Entre outros disparates que nem interessam agora. Enquanto fazia destas coisas pulava para a balança e ficava descansado. Não engordei nada. Mas depois comecei a pensar. Então e se o meu organismo está a guardar tudo numa zona qualquer e depois, de repente, regressam os 5 kg outra vez e de repente? Foi aí que resolvi parar e retomar a dieta. Não para emagrecer mais porque já estou bem. Mas pensei que vou fazer mais duas semanas porque desta forma já sei sempre o que faço de almoço e jantar, está escrito por isso basta consultar e fazer. Por outro a comida é boa e seguindo as receitas é mais fácil de ficar boa do que se eu fizer a minha. Entretanto se perder outro kg também não faz mal porque depois me permite voltar aos disparates com mais à vontade. Pronto, está feito o balanço.
B. e A.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Sábado fui a Lisboa e voltei no mesmo dia. Hoje vou outra vez, mas volto na quarta-feira. Vontade: ZERO!

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015


Pois estou. Mas com tanta coisa para fazer que nem parece que estou.
B. e A.

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Há uns meses recebi uma mensagem no chat do facebook de uma mulher que eu não conhecia de lado nenhum. Respondi a perguntar se nos conhecíamos e se era eu que não estava a ver (é a minha cara). Não dei muita conversa porque depois de ver as fotografias achei que era um perfil falso. Mais um de uma das minhas ex que adorava perfis falsos. Tinha vários com o propósito de a auto-elogiarem (!!!) Quem diz perfis falsos de facebook, diz de comentários que fazia fazendo-se passar por outras minhas ex. Enfim, um pagode aquela. Mas adiante. Há uns dois meses essa mulher, do nada, voltou a falar comigo. Mandou-me uma mensagem a chamar-me de antipático. Fiquei a olhar e depois perguntei-lhe a que propósito a mensagem e de onde me conhecia. Relembrou-me que já tinha falado comigo há um ou dois anos e que eu não lhe tinha dado troco e por isso era um antipático. Um ou dois anos depois chamou-me de antipático. Resposta na ponto da língua, pensei. Voltei a olhar para as fotos e voltei a pensar tratar-se de um fake pelo que a conversa levou o mesmo caminho. Ou seja, não levou caminho nenhum.
Então não é que esta noite tive de ir ao shopping e sentada na esplanada de um café estava a dita mulher a olhar para mim? Pelos vistos não era perfil falso, Desta vez, não era!
B. e A.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Depois de amanhã entro de fim de semana. Gosto disto. 
B. e A.
Não me faltava mais nada agora. Vi-me obrigado a fazer dieta. Obrigado. Noutros tempos dizia que ia fazer uma dietazita de nada e o pessoal dizia que eu não precisava. Noutros tempos. Noutros tempos comia tudo e mais alguma coisa e não engordava. Se me descuidava um ou dois dias perdia 2 kg que me obrigavam a fazer uma dieta de engorda.
Perante o cenário atual, resolvi levar a porra do regime a sério. E não preciso de perder um kg ou os dois kg habituais (no ano passado não fiz dieta). Preciso de perder 5 Kg. Cinco quilogramas. Não é brincadeira. Andei a pesquisar e resolvi fazer a dieta dos 31 dias porque era a que me abatia precisamente o peso que preciso.
Mas está a custar-me :(
Agora mesmo, em vez de estar a enfardar uma taça inteira de mousse de maracujá, tenho a porra de uma gelatina (daquelas light, com 0% de açucar) na mão. De ananás.
B. e A.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Tenho impressão que não consigo ter o computador em condições mais do que ano seguido. Já tenho de o formatar outra vez. Instalou-se uma porcaria no Chrome que não sai por nada deste mundo. À custa disto já quase não ligo o PC. Tudo resolvo e consulto no telemóvel.
Há 6 meses que tenho uma série de coisas para guardar no disco externo e não me apetece fazer. Porquê? Porque tenho o disco todo numa desarrumação que só de imaginar meter aquilo em ordem perco logo a vontade de fazer o que quer que seja. E assim vai (continua) a minha vida.
B. e A.

sábado, 10 de janeiro de 2015

Hoje resolvi dar início à época balnear. Foi só eu chegar à praia, tirar a camisola e estender-me em calções de banho na toalha, para aparecer uma nuvem que se enfiou em frente ao sol. De qualquer forma lá estive (mais ou menos) bem.
Ao fim da tarde resolvi dar início à época de inverno, ligando a lareira. Não compro lenha há 10 anos mas, de um modo alternativo, tenho resolvido o assunto ao longo dos tempos. Há dois anos agarrei na tico-tico e serrei todos os móveis que tinha no terraço e guardei-os no sótão. E pronto, tenho tido lenha para queimar. Ainda tenho um móvel no terraço para seguir o mesmo destino. E o que estou eu a fazer aqui, no meio de um calorão? Diversas coisas. Por um lado estou há mais de uma hora a ouvir a discussão sem sentido do Luís e da Joana da casa dos segredos. Por outro estou agarrado ao computador a decidir para onde viajar. De repente percebi que no carnaval vou estar sem os miúdos e por isso com uma semana pela frente para poder ir para onde me apetecer. Estou com um problema que se prende com a falta de liquidez, que não me permite ir para onde me apetece mesmo. E possivelmente para lado nenhum, mas mesmo assim vou pensando. Então o que faço? Ando à procura de destinos "baratinhos" para o carnaval e de outros destinos "caros" para fazer lá mais para o verão.

Hipóteses para o carnaval:
- Barcelona
- Marrocos

Hipóteses para o verão:
- Índia (preciso mesmo de lá voltar para ir ao sul)
- Bali (apetece-me lá voltar)
- S. Tomé (não me sai da cabeça já há alguns anos)
- Myamar (não sei sequer ver o quê, mas apetece-me ir)
- Brasil (qualquer sítio, não precisa de ser ao RJ)

B. e A.

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

O tempo passa tão depressa. Não tarda estou no fim da vida. Às vezes penso nisto.

B. e A.

domingo, 28 de dezembro de 2014

Há tanto tempo que eu estava à espera das férias. Mas férias mesmo, sem nada que fazer de importante. Só aquilo que me apetece. No ano passado apetecia-me ter ficado em Lisboa nas férias do natal, mas não pude porque precisava por demais de dinheiro e não podia ter a casa bloqueada para o meu belo prazer. Este ano, apesar de estar quase na mesma, a precisar por demais de dinheiro, resolvi bloquear tudo. E pronto, aqui estou sozinho até ao dia 31. Depois continuo, mas com os miúdos. 
E a fazer o quê? Nada de jeito. Gosto disto.
B. e A.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Pois bem. Há um mês atrás resolvi provar umas calças que desde o ano passado queria comprar mas, como não tinha dinheiro, não pude adquirir. Hoje sou surpreendido com um mail a dizer que a loja estava com promoções até 50 %. Suspeitei logo que sendo "até", as minhas calças teriam uns 5 ou, no limite, 10%. Fui numa correria comprovar e deparei-me que as calças estavam com os ditos 50% e ainda por cima havia o meu número. Lá vou eu a caminho dos provadores, vestir as calças que já tinha provado. Só para ter a certeza. Começo a vestir, tudo certo, até que ao abotoar o cabrão do botão, aquilo não se apertava a não ser que eu encolhesse a barriga. Nem queria acreditar. Saí, fui buscar o número acima e estava bom. Chamei a mulher e expliquei-lhe que alguma coisa se passava com as calças porque no mês passado aquele número estava bom e que por isso só podia ser problema daquele exemplar. Teve a cara de pau de dizer que não tinha mais nenhumas com aquele número. Perante esta adversidade que fiz eu? Não comprar, comprar o meu número ou comprar o cabrão do número acima que estava bem? Pensei e decidi pelo óbvio, comprar o meu número. Bem sei que estão apertadas, mas vão alargar, a bem ou a mal. Se for necessário (julgo que não) até faço uma dieta.
B. e A.