quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

Ubud


Ontem nao havia internet, logo nao actualizei o blog...
Tantas coisas para contar que nem sei por onde comecar. Verdade seja dita que tambem me esta a dar seca escrever. Daqui a nada tenho que sair daqui e depois, a noite, se houver net, logo continuo.


Anteontem a noite, sai do cyber e la vou para o meu hotel. Quando la chego, vou para entrar no quarto e deparo-me com uma osga na parede exterior. Pronto, pensei rapidamente, que se va o espirito da viagem para o caracas, vou fazer a mala e procurar outro hotel o quanto antes. Depois, voltei a pensar, calma ze miguel, tu es maior do que ela, reconsidera... Reconsiderei e fiquei! Comecei depois a pensar que dificilmente encontraria um hotel como este. Por exemplo, quando se toma banho nunca ha falta de agua, pois uma mais valia desta casa de banho e que cai agua nao so do chuveiro, como tambem do tecto. Entrei, deitei-me e ao contrario do que seria de esperar, mas como ja vai sendo habito, nada de dormir. Como tinha bebido um monte de coisas durante a noite, de 5 em 5 minutos levantava-me para ir fazer chichi. Numa das minhas idas a casa de banho, comeco a ouvir um barulho estranho vindo do tecto. Olho para cima e o que vejo??? A lampada a deitar fumo por todo o lado por causa da chuva que caia do tecto.
Nao so ia a casa de banho, como volta e meia, para variar vinhar passear ao jardim do hotel. Na minha ultima saida, sim, porque nao voltei a abrir a porta do quarto ate de manha, dei de caras com uma ra ou um sapo ousei la o que era aquilo. Desvairado, entrei a correr e fechei tudo. Que ninguem se atreva a comentar esta minha animosidade em relacao aos bichos. Apesar de ser de ciencias, e completamente diferente olhar para eles paralizados num acetato ou num livro, ou cara a cara. Adiante...

Outra coisa que nao me deixava dormir eram as sms constantes de feliz natal de um monte de pessoal a quem eu me esqueci de avisar que iria viajar. Volta e meia la ia tambem eu respondendo. O ordenado de Janeiro vai, na certa, inteirinho para pagar o roamming. Por volta das 4 da manha adormeci e acordei as 10.50, ou seja a 10 minutos de acabar o pequeno almoco. La fui eu numa correria...
De manha chamei o homem que me foi arranjar a luz do tecto da casa de banho.
Esqueci-me de contar outra coisa que aconteceu anteontem. Estava eu muito bem no mercado a ver calcoes quando resolvi perguntar a mulher se podia provar.
Eu: posso provar os calcoes?
Ela: Claro.
Eu: Onde????? (olho a volta e nao via nenhum provador)
Ela: Aqui.
Eu: Aqui???????
Ela: Sim, aqui...
Eu: De certeza?
Ela: claro!
Eu: Ok (e tiro o fato de banho que trazia vestido)
Logo a seguir sai a mulher disparada aos berros.... Pensava que eu andava de cuecas por baixo do fato de banho. LOLOLOL
Hoje, quando sai do quarto chovia a cantaros (como diz o meu pai). Fiquei doido. Depois fui perguntar quando parava de chover, resposta: so em Marco!!! Em Marco????, disse eu. Sim, ou entao Abril... Resolvi entao fazer a minha vida normal aqui em Bali, dentro do possivel, com a chuva e pronto.
Por volta do meio dia fui a Ubud, a 65 km daqui. Um transito horrivel, chuva sem parar, o cabrao do taxista a parar em tudo quanto era sitio para eu comprar as merdas de prata e de seda para que ela ganhasse a comissao. Ja nao o via bem... Cheguei la por volta das 14h e ele a avisar-me que as 16h voltavamos para Kuta. Eu a dizer a dizer que so queria voltar as 21h. Gerou-se ali uma discussao com o homem que so visto. Acordamos entao que voltariamos as 18h. Ubud e girissimo, mas com a chuva que fazia, era quase impossivel ver o que quer que fosse. Claro que comprei um guarda-chuva. Andei no mercado a fazer compras, fui ver os macacos e voltamos. Na volta estava tudo alagado. A meio caminho, resolvi dizer ao taxista que estava a entrar agua no interior do carro pelo chao. O homem ficou verde e parou logo o carro. Depois concluiu que deveria ser a agua do ar condicionado, aliviou e seguiu viagem. Claro que nao era, eu bem sentia os pes submersos, mas so de pensar que o homem resolvia parar por ali e eu ter de procurar outro taxi, concordei com ele e nao voltei a abrir a boca em relacao a agua.
Cheguei ao hotel e sai logo a seguir para ir jantar. Fui a procura de um restaurante Italiano que o Nuno me tinha dito. Claro que adorei o sitio e a comida. O restaurante fica ao pe do monumento construido em honra das vitimas que morreram com a bomba. E tao estranho estar num local onde, pessoas como eu, que estavam de ferias sem nada esperar sejam surpreendidas com uma coisa destas e morram. E isto que me faz sentir pequenino... Tive a mesma sensacao quando, dois meses depois do tsunami em dezembro de 2004, estive em Phuket e nas Phi Phi Island. Imaginar que poderia ter sido comigo, e unicamente uma questao de timmimg.

Quando sai do restaurante, fui a procura de net para actualizar isto e nada. Como ja disse no inicio deste post, nao havia net na ilha. Para voltar para o hetel foi outro cabo dos trabalhos. Chovia, chovia, chovia e tudo estava inundado. Usar ou nao o guarda-chuva que tinha comprado em Ubud era o mesmo. Praticamente ninguem nas ruas. Cada carro ou mota que passava na estrada, mandava uma onda para cima das pessoas. Um horror!
No meio desta confusao encontrei um fulano, tambem ele abrigado da chuva, por baixo de um alpendre. Era da Africa do Sul e tinha ca chegado hoje para ficar tres semanas. Sabia um monte de palavras em Portugues porque conhece um monte deles que vivem perto dele. O coitado nem queria acreditar quando eu o avisei de que a chuva nao iria parar tao cedo pois ele esta ca de ferias para fazer surf. Na Africa do Sul e instrutor. Vinha com o pai, um velho a cair de podre, a quem ele mandou meter-se na chuva e providenciar um guarda-chuva para os dois. Claro que no meio disto tudo eu estava perdido, sem saber voltar para o hotel. O problema agora era que nao encontrava ninguem nas ruas a quem pedir informacoes. Andava, nalgumas zonas, literalmente debaixo de agua. A roupa absolutamente encharcada e colada ao corpo. Com um pavor de perder as minhas havaianas e ter que voltar descalco para o hotel, pois andava em muitos sitios com agua pelos joelhos. Enfim...acabei por chegar.

3 comentários:

SRRAJ disse...

Oi,
fico happy por te estares a divertir. talvez algum dia tb faça uma dessas ... nunca se sabe. jinhos. sandra

Helena disse...

Boa noite Mguel,

acabei de me deliciar com as tuas aventuras...a minha sobressa de hoje, foi rir às tuas custas...imaginando não só os bicharrocos e a tua cara, bem como os banhos públicos que vais tomando... terminando com a tua inédita experiência na compra de fatos de banho... de facto não deixam de ser experiências inesqueciveis que te ajudam a crescer... :)

Continuas a curtir as férias em grande o que é excelente.

Um beijo e continua nos teus relatos diários.

Helena

J disse...

já passaste em começar a andar de barco?