quinta-feira, 31 de janeiro de 2008



FALTAM 10 DIAS
233,20 + 1,50 = Descaracterização Total





Hoje resolvi descaracterizar o carro!
Cheguei da escola e meti-o numa lavagem automática onde gastei 1,5 €. Saiu de lá preto, preto...

Não contente com isto, decidi finalmente trocar os pneus traseiros do carro. Da última vez que fui a Sevilha, prudente que sou, fui primeiro ir à oficina para trocar os pneus da frente para trás, pensando que assim ficava com o assunto resolvido por dois anos. O senhor da oficina, ficou a olhar para mim, disse que o fazia, mas que os pneus estavam tão "carecas" que eu só podia utilizá-los por mais uns 100 km... Após 1000 km resolvi então que seria tempo de os mudar.

Com a voz embargada, lá me despedi do Senhor, após me ter dito que teria que proceder ao pagamento de duzentos e trinta e três euros e vinte cêntimos...




Beijos e Abraços

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

FALTAM 12 DIAS...

Beijos e Abraços

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

FIM-DE-SEMANA

Há uns tempos a Kika tinha-me dito que tinha uma consulta em Lisboa e eu, quando verifiquei que coincidia em dias em que estava sem os miúdos, resolvi logo que também ia. Depois fiquei com um PROBLEMA… Como vou, se tenho aulas na 6ª feira? Sendo eu uma pessoa que arranja logo SOLUÇÃO para as coisas que me interessam, resolvi arranjar também uma consulta para mim... Marquei para o oftalmologista com o objectivo de ver se poderia ser operado aos olhos. Apesar de ter pouca graduação, e da maioria das pessoas não usar óculos com esta falta de vista, o que acontece é que eu uso e NÃO quero usar...

Sendo suposto ter acordado por volta das sete da manhã na 6ªfeira, às quatro já eu estava a pé à procura das coisas para meter na mala, porque tinha ficado de estar em casa da Kika às 8.30h. Com a minha mania de deixar tudo para a última hora, foi no que deu...

Chegámos, fomos à consulta e começo logo eu a ficar desvairado a pensar que o médico me ia dizer que não podia ser operado. Lá perguntei trinta por uma linha ao Senhor Doutor, fiz tudo quanto havia de exames para fazer (foi só um: topografia à córnea, parece é sempre bem dizer que se fizeram milhares de exames) e aguardei na sala de espera que fosse novamente chamado ao consultório para receber o resultado dos exames. MARAVILHOSOS! Operação dia 21 de Fevereiro!!!

Depois fomos almoçar, a seguir fui fazer tempo para o Saldanha enquanto a Kika se despachava da consulta dela e lá fomos à procura do hotel. Para que hotel fomos nós???? Para um do género daqueles onde eu fiquei nesta última viagem, baratérrimos, no BAIRRO ALTO, ao pé de tudo o que interessava... Qual o problema??? Pooooooooooooooooooiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiisssssssssssssss, havia um problemazito PEQUENININHO. Como fizemos as reservas sem a antecedência suposta, já só havia quartos disponíveis com quatro camas... sendo que a Kika nunca tinha ficado instalada em hotéis nestas condições... LOL

Mal entrámos, ficámos logo a conhecer um dos fulanos que iria ficar connosco no quarto. De poucas falas o rapaz... O quarto até era jeitosinho, com dois beliches, uma mesa de jantar, cozinha e casa de banho. Nós escolhemos onde queríamos dormir e o alemão ficou numa das camas que sobraram. Quando se diz que nós escolhemos, entenda-se que EU escolhi, a kika dormiu na cama de baixo e o alemão...


Saímos, jantámos no CHIADO e fomos para o teatro. Mortos de sono! O que salvou é que eu gosto imenso do actor e era uma comédia, logo havia sempre o barulho de fundo das gargalhadas. Adorei, é claro! Eu gosto sempre de TEATRO.

À noite, quando chegámos ao quarto, o alemão que nós já tínhamos conhecido já estava na cama a dormir (ou a fingir que dormia). Supostamente nós deveríamos dormir também, não houvesse uma série de assuntos pendentes e inadiáveis a tratar, nomeadamente consultar a net e debatermos um monte de outros assuntos que não podiam esperar pelo dia seguinte, sob pena de perderem o prazo de validade. Este é sempre o nosso problema (neste caso, o problema maior era do alemão): nunca eu e a Kika temos falta de assunto…

Pouco tempo depois chega outro alemão que também ia dormir ali no quarto. O coitado nem espaço tinha para se sentar a não ser na parte debaixo do seu beliche pois, como é óbvio, eu e a Kika já tínhamos monopolizado tudo, além de termos as luzes acesas e não estarmos 5 segundos consecutivos calados… Ao fim de um monte de tempo lá fomos para a cama e o segundo alemão também aproveitou a oportunidade. Bem aproveitada, pois na manhã seguinte, perto das oito já nós estávamos com luzes acesas, computador ligado e a fazer a nossa vida quase normal como se estivéssemos sozinhos no quarto. Despachámo-nos e FEIRA DA LADRA connosco. Gostei, mas pensei que era muito maior e diferente das feiras de velharias que existem aqui no Algarve e que eu costumo frequentar não só para comprar, mas também para vender. Não comprei quase nada: uma carteira para a Maria meter os 1,05 € para o lanche na escola e um cinzeiro anos 70´s para enfeitar a minha secretária (digo eu, não vá a aNag achar que é para meter noutro sítio qualquer).

A seguir fomos ao CCB fazer qualquer coisa que eu já não me lembro o que foi e depois apanhar sol para os JERÓNIMOS. Depois voltámos para o Chiado. Andámos, andámos, andámos… Adoro o chiado!
Jantámos no Bairro Alto e depois andámos pelas lojinhas e pelos bares. Acabámos por ficar o resto da noite num bar na Rua da Barroca, o MARIA CAXUXA! Quando voltámos ao hotel, já os dois alemães dormiam. Quase que ficámos sem muita coragem de fazer barulho… De manhã quando acordei, não sei como foi aquilo, mas um deles já tinha desertado embora o outro ainda estivesse na cama. Claro que por pouco tempo, pois nós não perdemos tempo…

Eles acordavam, saíam do quarto, esperavam que nós saíssemos e passadas 2 horas lá deviam voltar para os afazeres deles. Óbvio que nunca tiveram a cara de pau de tomar banho antes de nós ou outra qualquer coisa despropositada.

Fomos para a BRASILEIRA tomar café, passeámos e fomos para o Colombo porque eu queria ir à Área ver as novidades e a Kika comprar não sei o quê. Pronto! Ficou tudo estragado. Sempre arranjo um monte de coisas para comprar e para me gerar uma crise de nervos a posteriori ao constatar os rios de dinheiro que gastei.


À noite voltámos para casa.

ADOREI o fim-de-semana. Engraçado como consegui morar cinco anos em Lisboa e não ligar a nada às coisas que hoje em dia ligo. Antigamente, alguma vez me passava pela cabeça parar para olhar para as casas, miradouros, calçada, rio, arquitectura dos bares… LISBOA É LINDA, e eu só reparei nisso há pouco tempo…

BEIJOS E ABRAÇOS


quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

INTERVALO



ESTOU DE VIAGEM MARCADA...
COISAS URGENTES A RESOLVER...
VOLTO DOMINGO...

NÃO SEI SE PROMETO FOTOS. SE DIGO JÁ QUE NÃO, NÃO VOLTAM A METER AQUI OS PÉS NO BLOG... SE DIGO JÁ QUE SIM, DEPOIS FICO ENERVADO A PENSAR QUE TENHO QUE AS PUBLICAR E, ENERVADO, NÃO FICO BEM NAS FOTOS...
ENFIM, A MINHA VIDA É UMA FONTE DE PROBLEMAS...

DAREI UMA SESSÃO DE AUTÓGRAFOS AMANHÃ À PORTA DO TEATRO MUNDIAL PELAS 21.30H. NÃO LEVO CANETA!! ESSE SERÁ UM PROBLEMA VOSSO, NÃO POSSO CARREGAR COM TUDO ÀS COSTAS...
BEIJOS E ABRAÇOS

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

terça-feira, 22 de janeiro de 2008

SINTOMAS DE POBREZA















Há dias recebi um mail, daqueles parvos que todos nós recebemos, mas como me identifiquei logo com o título, resolvi ler de fio a pavio. Estes são alguns dos indicadores do estado de pobreza de um indivíduo:


- Ligar a Internet exatamente à 00h01 por ser mais barato.


- Assistir ao Gato Fedorento e achar graça às piadas.


- Aquecer a ponta da BIC para ver se ela volta a funcionar.

- Correr atrás do guarda-sol na praia a gritar: "Apanhe! Apanhe!".*


- Entrar de loja em loja perguntando os preços, e dizer que está só a dar uma vista de olhos.

- Ficar a balançar a lâmpada queimada para ver se ela volta a funcionar.*

- Ir para o trabalho de bicicleta e dizer que é só para manter a forma.

- Aproveitar a garrafa plástica de coca-cola para guardar água no frigorífico.

- Secar os ténis atrás do frigorífico.

- Receber visitas e mostrar a casa toda.

- Só telefonar de casa e utilizando o casa T*

- Decorar um vaso com flores falsas.

- Comprar carro novo e não tirar o plástico só para dizer que é novo.

- Lamber a ponta de borracha para apagar os erros.

- Correr a casa inteira com o chinelo na mão atrás da uma barata.

- Colocar algodão na árvore de natal para dar efeito de neve.

- Passar cuspe no cotovelo ressequido para amaciar.

- Guardar sobras de sabonete para depois fazer uma bola só.

- Consertar as havaianas com agrafador.

- Enfeitar a estante da sala com lembranças do casamento.

- Passar fio dental e depois cheirar para ver se o dente está podre.

- Tirar cera do ouvido com a chave do carro ou com a tampa da caneta.

- Sair a correr atrás do autocarro que já está a sair da paragem.*

- Subir ao telhado para mexer na antena e começar a gritar: "MELHOROU?"*

- Guardar cuecar furadas para passar cera no carro.

- Ir ao restaurante e antes de pedir a comida perguntar se aceita VISA.*

- Enfiar brincos e anéis de lata na máquina de sumos para ver se sai algum.

- Levar comida para o autocarro.*

- Comprar CDs pirata.

- Mandar uma carta para participar da promoção de sabão em pó.*

- Ouvir Marco Paulo enquanto se passa a roupa a ferro.

- Gostar de ouvir Mónica Sintra.

- Comprar a prazo. *

- Fazer as compras do natal na loja dos 300.

- Ir para a praia e levar comida.*

- Lamber a tampa metálica do iogurte.***

- Dizer calça, em vez de calças.

Poooooooiiiiiiiiiiiiiiiiissssssssssssssssss que faço o que meti com *! O problema é que ainda faço outras coisas que não estão na lista, com certeza por lapso de quem a fez............

Beijos e Abraços

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

O meu jeitinho especial

Tenho um jeitinho especial para dar cabo de computadores! Em pouco tempo consigo instalar um vírus, apagar ficheiros que não podiam ser apagados, arranjar erros irrecuperáveis que depois necessitam a toda a hora enviar um relatório de erros para o raio que o parta... Enfim, quando precisarem de se ocupar com algum problema num qualquer dia de tédio, basta pedir que eu vá ao vosso computador fazer qualquer coisa simples, que ficam com o que fazer para o resto da semana.


O meu pc nunca dura mais de 6 meses sem ser formatado. Aliás, 6 meses são o recorde.

Desta vez, não consegui ultrapassar os 6 meses. Ao fim de 15 dias ou um mês de ter ido para arranjar e de ter voltado todo limpinho do técnico, já eu tinha um vírus a residir no meu pc. Vírus esse que se afeiçoou tanto a mim (o que de resto é facílimo de acontecer), que se recusava a sair com tudo o eram anti-vírus.

Eu também não me importei, simplesmente me adaptei ao fulano e passei a desligar o pc directamente na tomada, uma vez que o vírus afectou o botão onde se carregava para o desligar. Tantas vezes fiz isto que o pc não teve para meias medidas: amuou e resolveu passar a dizer que tinha um erro no CPU e mais não sei o quê, que eu não percebo nada... Nem me importei, continuei a utilizá-lo como se fosse assim que ele tivesse vindo da Worten para a minha casa.


Hoje não fui às aulas, tive uma reunião aqui numa escola em Portimão e acabei por ficar com a tarde livre porque a reunião demorou mais do que o previsto e já não tinha como chegar a horas à tarde. Dou por mim sem nada que fazer, ou por outra, sem me apetecer fazer os milhares de coisas que tinha pendentes e o que faço eu? Atirei-me ao pc e começo a copiar tudo o que lá tinha para Cds. Depois de ter levado umas 3 horas neste serviço, salvando milhares (entenda-se centenas, eu exagero sempre porque acho mais giro) de fotos, testes, fichas, contactos de mail, favoritos, músicas, etc, etc, resolvi formatar. Passado mais de uma hora a instalar o cd do Windows XP, aquilo resolveu reiniciar e dou com o mesmo problema, ou seja, continuava a dizer que havia sei lá o quê no CPU e que portanto o pc não estava nada bem, necessitando ainda de carregar, sempre que se ligava, na tecla F1, para entrar no ambiente de trabalho. Conclui que possivelmente não seria o vírus, mas o pc que não estava bom.

Depois disto, já eu tinha jantado e tudo, resolvi informar-me com um colega de informática sobre a solução para o problema. Diz ele: "É simples, basta entrares no BIO (que não faço ideia o que seja) e voltares a sair depois de gravares". Seguindo as instruções dele, em dois minutos tinha o problema resolvido. A medo perguntei: "Não era preciso ter formatado o pc para resolver isto????????". Resposta dele: "Não, bastava fazeres isto!"


Beijos e Abraços

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Este post é para ti

Estive na dúvida na música que deveria colocar aqui… Se esta, a que desde o dia em que te vi a associei a ti, se a que tu tens no teu pc com o meu nome e que associas a mim… Resolvi-me por esta, que tu também gostas…

É pena que esteja a escrever só agora, talvez se o tivesse feito há mais tempo, não estivesse a escrever isto, mas outra coisa qualquer que tu preferisses ouvir ou que eu preferisse dizer.


Lembro-me perfeitamente do primeiro dia que ouvi a tua voz. AMEI! Acho que estava à espera de tudo, menos da tua descontracção na forma de falar comigo. Achei logo que tu tinhas tudo a ver comigo.
Também não me posso esquecer do dia em que te vi pela primeira vez. Neste dia eu não conseguia mesmo “parar de te olhar”…És mesmo gira!

De cada vez que falava contigo achava sempre que era isto que eu estava à procura, que tu eras a pessoa que faltava na minha vida. Talvez me tenha sentido apaixonado várias vezes. Depois o tempo passava, nós não falávamos, e eu esquecia até à próxima vez. Aí pronto, tudo voltava.

Tu tinhas (não sei se ainda tens) uma capacidade de me “dar a volta” de uma forma que por vezes me assustava. Embora consciente, eu achava uma piada tão grande à tua argumentação que me deixava levar de forma, talvez, irresponsável. Eu ficava deliciado a ouvir tuas explicações todas, mesmo aquelas que tu insistias em dar e que até tu própria não acreditavas.

Não consigo perceber como ou por que razão a situação começou a mudar. Acho que foi mesmo naquela nossa conversa antes da passagem de ano que não correu nada bem. Quando me perguntaste o que eu queria mesmo, era mesmo aquilo que te respondi. Naquele momento dava tudo para estares lá comigo e passares comigo o ano.

Lembras-te da nossa conversa a propósito do nosso futuro? Claro que te lembras...
Era bom que fosse como nós achámos que ia ser, “a vida tão simples é boa, quase sempre…”


Beijo



quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

PENSAMENTO PROFUNDO

Nota introdutória ao pensamento profundo:

Como se vê, neste blogue, pode encontrar-se de tudo! Pode-se, portanto, considerá-lo desde já, uma coisa nunca vista... Enfim: um must!

Agora leiam que está giro............. Não se esqueçam, enquanto ouvem, de lembrar aquele programa da Lídia Franco que também nunca se podia perder (eu pelo menos, não perdia por nada deste mundo)


"Fizeram-nos acreditar que amor mesmo, amor a sério, só acontece uma vez, geralmente antes dos 30 anos.


Não nos contaram que o amor não é accionado, nem chega com hora marcada.


Fizeram-nos acreditar que cada um de nós é a metade de uma laranja, e que a vida só ganha sentido quando encontramos a outra metade.


Não contaram que já nascemos inteiros, que ninguém na nossa vida merece carregar nas costas a responsabilidade de completar o que nos falta.


Nós crescemos através de nós mesmos. Se estivermos em boa companhia é só mais agradável.


Fizeram-nos acreditar numa fórmula chamada "dois em um": duas pessoas pensando igual, agindo igual, que era isso que funcionava.

Não nos contaram que isso tem nome: anulação. Que só sendo indivíduos com personalidade própria é que poderemos ter uma relação saudável.


Fizeram-nos acreditar que o casamento é obrigatório e que desejos fora de hora devem ser reprimidos.
Fizeram-nos acreditar que os bonitos e magros são mais amados, que os que transam pouco são caretas, que os que transam muito não são confiáveis, e que sempre haverá um chinelo velho para um pé torto.


Só não disseram que existe muito mais cabeça torta do que pé torto.


Fizeram-nos acreditar que só há uma fórmula de ser feliz, a mesma para todos, e os que escapam dela estão condenados à marginalidade.


Não nos contaram que estas fórmulas não dão certo, frustram as pessoas, são alienantes, e que podemos tentar outras alternativas. Ah, também não nos contaram que ninguém nos vai dizer isto.


Cada um vai ter que descobrir sozinho. E aí, quando estiveres muito apaixonado por ti mesmo, vais poder ser muito feliz e apaixonares-te por alguém"


John Lennon





segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

A caminho da 3ª idade...

Hoje, enquanto estava na escola, a psicóloga veio ter comigo para me pedir que lhe cedesse a aula de Formação Cívica para aplicar os testes psicotécnicos aos alunos da minha direcção de turma. Eu, que detesto formação cívica, disse logo que sim e, com o entusiasmo, quase lhe dei uma dúzia de beijinhos de agradecimento. Digo quase, porque caí rapidamente em mim, e ainda fui a tempo de lhe dizer que a aula me fazia falta mas que iria desdobrar-me em 1000 e tratar dos assuntos da formação cívica em parte da aula de área de projecto que também tenho o "privilégio" de ser eu a leccionar àquela turma, para além da minha disciplina.

Chegou a hora da aula e eu lá fui ter com os alunos para informá-los que a aula hoje seria dada pela psicóloga. Ainda antes de dizer qualquer coisa, aparecem-me a correr duas ou três alunas a dizer que eu hoje parecia um deles e que ninguém me dava a minha idade. Ora, ao contrário do que seria de esperar, fiquei para morrer com o "elogio"!

Aqui não se trata de eles poderem pensar que eu sou mais velho do que realmente sou porque conhecem perfeitamente a minha idade, uma vez que já leram e releram tudo o que se pode encontrar sobre mim no Hi5. Se algum pormenor lhes escapava acerca de mim, porque eu eventualmente não lhes tenha respondido (embora coisa rara, pois eu conto a minha vida a toda a gente), aproveitaram o facto de terem estado com os meus filhos numa actividade da escola para os interrogarem acerca de tudo. Inocentes que são, os miúdos, dissertaram sobre todos os itens apresentados pelos meus alunos a debate, sem solicitarem a presença de um advogado enquanto prestavam declarações...

Voltando atrás, o que eu não gostei e não gosto, embora perceba e na idade deles também o fazia, é o facto de eles considerarem velhos todos os que já têm 30 anos ou mais. Seguindo este raciocínio, eu próprio, aos 15 achava os de 30 velhos. Aos 20, considerava os de 35 velhos. Aos 30, rapidamente mudei a minha opinião, reflecti, ponderei, dei o dito por não dito, e passei a considerar que até aos 40 as pessoas são praticamente ainda adolescentes. Actualmente, considero isto até aos 45, uma vez que tenho 36... Será que eu vou ter a cara de pau de achar, quando tiver 70, que velhos serão os que já têm 80? Acho que vou...

Estou para aqui preocupado a pensar se vocês farão comentários a isto com aquelas frases-feitas do género: "A idade das pessoas está na cabeça e não na apresentada no B.I.", "Há muitos que têm 20 anos e comportam-se como pessoas de 50", etc...

Beijos e Abraços

quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

ALEGRIA DE VIVER


HOUVE UMA MENSAGEM QUE RECEBI NA PASSAGEM DE ANO QUE ME DEIXOU A PENSAR, POR SER DE UMA PESSOA QUE ME CONHECE BEM E QUE ME É PARTICULARMENTE PRÓXIMA. DESEJAVA QUE EU EM 2008 CONTINUASSE COM A MESMA ALEGRIA DE VIVER QUE ME CONHECE.

DEPOIS DE PASSAR POR UMA FASE DIFÍCIL NA MINHA VIDA, DECIDI MUDAR TUDO. TANTO MUDEI QUE CHEGUEI À CONCLUSÃO QUE APESAR DE ME ACHAR FELIZ ANTES, DE ME SENTIR BEM COM O QUE ERA SUPOSTO TER-SE, EU VIVIA COM UMA SENSAÇÃO DE FELICIDADE TÃOOOOOOOOOOOOOO REDUTORA...

HOJE EU NÃO DEIXO DE FAZER AQUILO QUE GOSTO.

NÃO QUERO PENSAR NO QUE PODERIA TER FEITO E QUE NÃO FIZ, PODENDO TÊ-LO FEITO.

EU GOSTO DE VIVER!

BEIJOS E ABRAÇOS

Nota: a porta da máquina da roupa já abre, basta utilizar uma chave de fendas de todas as vezes que se pretende tirar de lá a roupa.:(:(:(

quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Lides domésticas




Cheguei de viagem, não antes sem apanhar uma multa na auto-estrada para espairecer. Ao entrar em casa, deparei-me com a lavandaria inundada. Pelos vistos também cá choveu, pensei...


Como estava cheio de roupa para lavar, nem liguei muito e enchi a máquina. Liguei-a e ouço logo a seguir um barulhão enorme. Estava em curto-circuito. Bonito serviço!
Passado um dia, liguei a máquina com uma extensão a uma tomada da cozinha e tudo normal, apenas fiquei com tudo o que era branco, cor-de-rosa.

Hoje, quando finalmente parou de chover, resolvi voltar a meter roupa a lavar. Depois de andar com o secador de cabelo na tomada da máquina durante um monte de tempo lá consegui que ela ligasse outra vez com recurso a uma extensão eléctrica para a cozinha. Começou a trabalhar e eu descansei, pensando que tinha todos os meus problemas de vida resolvidos. Mas não, iludi-me...
Quando a máquina acabou, esperei um bocado para tirar a roupa para estender e nada. A porta não se abria nem por nada. Resolvi dar um tempo para que a máquina se apercebesse que já tinha acabado o serviço e voltei a insistir para que a porta se abrisse. Já passaram umas quatro horas e a roupa continua enfiada dentro da máquina, por certo à espera que comece a chover para que finalmente a porta se abra...

Beijos e Abraços

terça-feira, 8 de janeiro de 2008

E, FINALMENTE...


AS FOTOS DA TURQUIA

ISTAMBUL






BEIJOS E ABRAÇOS

segunda-feira, 7 de janeiro de 2008


MaLaYsIa



slide removido


Aviso já que Kuala Lumpur é uma cidade para se voltar, mesmo que nas fotos isso possa não parecer...
Beijos e Abraços

domingo, 6 de janeiro de 2008

Agora algumas fotos de BALI...





Beijos e Abraços

sábado, 5 de janeiro de 2008


TIREI 400 FOTOS NA VIAGEM!


ÓBVIO QUE NÃO AS POSSO PUBLICAR TODAS AQUI...


ESTÃO AQUI AS PRIMEIRAS, AS DE SINGAPURA...




sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

NEW YEAR
Ontem, quando sai do cyber, fui ao hotel tomar banho e mudar de roupa para depois voltar a sair para ver os fogos. À saída fui perguntar ao senhor da recepção se me dava outro mapa porque eu tinha perdido (já um monte de vezes) o meu. O homem disse-me que não tinha mais nenhum, então eu pedi-lhe que me indicasse o caminho para o KLCC pois também já me tinha esquecido como se ia para lá. Entretanto estavam ali ao lado duas raparigas que me disseram que iam para lá e eu, aproveitador que sou, perguntei logo se não podia ir com elas. Elas disseram logo se sim e estabeleci ali logo conversa para o resto da noite. Pelo caminho perguntei a vida toda de cada uma delas. Uma delas era da Colômbia mas vivia em Sidney há 2 anos, a outra era Japonesa. A Colombiana chama-se Karina e era tão gorda como simpática. A Japonesa chama-se Shino e apesar de mais tímida também respondia a tudo. Ao fim de pouco tempo, ainda nem tínhamos chegado ao KLCC e já estávamos todos íntimos, como se nos conhecêssemos há um monte de tempo. A Karina tinha ido viajar para a Tailândia, Laos, Camboria e estava em KL há três dias. A Shino tinha chegado no dia anterior, tinha conhecido a Karina porque ficaram no mesmo quarto (um quarto com oito camas) e tinha vindo do Japão passando primeiro uns dias no Taipé. Eu lá estava a contar as minhas atribulações do dia anterior e a Karina a contar que lhe tinha acontecido praticamente o mesmo pois quando foi para o táxi no Camboria que a levou ao aeroporto, resolveu pagar o táxi com VISA e o taxista não tinha. Ela sem dinheiro na moeda local, resolveu pedir para pagar com a moeda que tinha. O taxista disse-lhe que isso não podia ser e mandou-a a uma ATM. Chegada à ATM, a máquina não dava dinheiro! Foi a uma casa de câmbio e não lhe trocavam o dinheiro porque era de manha muito cedo e ainda não tinham a cotação do dia da moeda. Ela doida, no aeroporto já e com voo dali a 20 minutos e sem dinheiro. Com a aflição que já estava, na casa de câmbio lá lhe resolveram o problema aceitando fazer a troca da moeda com a cotação do dia anterior…


A Karina é doida por fotos! Em tudo quanto era sitio lá tínhamos que parar para que ela tirasse o rabo-de-cavalo, ajeitasse o cabelo e posasse para a foto. Só as Petrona Towers ela deve ter tirado umas 30. Obvio que eu também era o que fazia, tendo obviamente a particularidade das minhas fotos terem que ser repetidas um monte de vezes pois eu não podia não ficar bem! Inclusivamente as fotos que tirei com elas, com as máquinas delas, passaram pela minha censura.

Às 22.30h já nós estávamos no KLCC, em frente às Petronas, a guardar lugar. Assim ficaríamos não fosse eu lembrar-me que não tinha jantado e que me tinha esquecido do dinheiro no hotel. Como estava com euros e com o VISA, deixei-as lá e fui à procura dum sítio para trocar os euros. Uma confusão de gente impossível. Quando voltei, começou a chover, outra confusão de gente a fugir da chuva, depois parou e lá voltámos para o nosso posto.

As torres, de noite são o máximo! Prateadas e todas iluminadas. Um calorão desgraçado…

A meia-noite era esperada olhando para o relógio que existia no cimo das torres. Quando chegou começaram também os fogos. ESPECTACULO! LINDO! Entretanto tinha começado a chover outra vez… Adorei esta passagem de ano. Quando é que eu havia de esperar passar o ano no outro lado do mundo, no meio de um calor desgraçado, todo molhado da chuva e acompanhado de uma Japonesa e de uma Colombiana que tinha acabado de conhecer há uma hora e meia atrás? Acho que foi este conjunto de coisas tão diferentes que fez aquilo tudo tão especial.

Depois andámos a passear pelas ruas, a apanhar com espuma e uma outra coisa cor-de-rosa que saía de um spray que eu não faço ideia o que era e eu doido há procura de uma cerveja. Lá acabei por comprar no meio da confusão nas ruas e fomos para o hotel conversar. Deitei-me às 4 da manha e às 6 já estava a pé para ir para o autocarro.

A viagem de seis horas para Singapura não me custou nada. Fui sentado num banco individual, logo ao lado do corredor, um monte de espaço entre o meu banco e o da frente, com televisão em todos os lugares e com serviço de almoço como se num avião estivesse. Parámos uma 1ª vez para que se pudesse ir comprar qualquer coisa (comprei um chocolate), depois uma segunda para passarmos pela fronteira da Malásia e, mais à frente, para passarmos pelo controlo na entrada de Singapura. Aqui desta vez tivemos que tirar tudo do autocarro, malas inclusive, e depois de tudo fiscalizado voltar a entrar. Dormi a viagem quase toda.

Quando cheguei a Singapura, o terminal era num hotel, fui perguntar se podia deixar ali os meus tarecos para ir passear e voltaria depois à noite para buscá-los. Disseram que não podia fazer isso, logo tive que ir para o aeroporto às 4 da tarde e ficar de seca até às 11 da noite. Nem a porra do check in podia fazer antes das 9 horas e estava carregadíssimo com as malas atrás. Fui pesá-las numa balança e tinha a mala grande com 28 Kg e a mochila com 7. Nisto o que resolvi fazer para não pagar excesso de bagagem? Abri a mala, tirei de lá um saco do Ikea que tinha levado, e enchi-o com 5 quilos. Depois, para não ir com a mochila carregadíssima resolvi tirar as bermudas e vestir as calças. Claro que tive que fazer este serviço em frente de toda a gente porque o carrinho com as malas não passava pela porta da casa de banho. Fiz o check in, não paguei nada e depois foi uma correria porque só tinha 2 horas para estar no freeshop e jantar. Andava eu por lá nas lojas, olho para o quadro das informações de embarque para ver se já tinha aparecido escrito “última chamada” e fiquei azul!!! A porta de embarque já estava fechada!!!!!!!!!!!!! Lá fui eu a correr por aqueles corredores a fora a pensar como era possível eu estar naquela situação depois de ter levado 7 horas no aeroporto à espera de embarcar. Lá cheguei, pedi à senhora que me deixasse entrar e lá deixou…

Beijos e Abraços