segunda-feira, 19 de maio de 2008


Há coisas que só me acontecem a mim (e à Ana)!!!

Sábado fui a Lisboa com a Ana com o objectivo de comprar um móvel e, eventualmente, trazê-lo no carro para casa. Partimos logo às oito da manhã e no caminho fizemos logo os planos todos para o dia.
Chegámos e fomos directos à loja onde já tinha o móvel reservado. Tinha-o visto no catálogo e da última vez que fui a Lisboa o móvel não havia na loja. Assim, encomendei e como me tinham telefonado a dizer que já havia fui vê-lo. Vi, amei e comprei. Comprei também um abajour. Depois começou a odisseia de meter o móvel dentro do carro. Uma vez que tinha 1,50m de comprimento e 60 cm de altura conseguimos metê-lo num dos lados do carro, rebatendo a 2/3 o banco de trás. A Ana teve de vir atrás, no espaço que lhe sobrou.


A seguir fomos para a Feira da Ladra. Estou adepto, como se sabe! Comprei um banquinho antigo e fiquei doido por não ter comprado uma cadeira que, por mais voltas que desse, nunca caberia no carro.

Da feira seguimos para o Ikea. Comprámos mais um monte de coisas (tudo barato, é claro). Depois é que nos vimos Gregos quando fomos meter os sacos todos no carro para voltarmos para o Algarve. Andámos a dividir tudo pelos cantinhos livres do carro e metemo-nos à estrada com o carro atulhado de artigos novos.

Metemo-nos na auto-estrada e, para poupar dinheiro, saímos em Grândola. Tudo certo, lá íamos conversando e tal quando eu olho para uma placa na estrada a dizer que o centro de Sines era para o lado direito!!!!!!!!!!! Nem estava em mim!!! De seguida avistamos logo o mar!!!!!!!! Resumindo tinha-me novamente enganado no caminho mas, para não se tornar repetitivo, em vez de me enganar e fazer a estrada que fiz da última vez, fiz a estrada do oeste, sempre junto à costa. De seguida verifico que não tinha gasóleo e sem avistar uma bomba que fosse… Um semi-stress, uma vez que o computador de bordo já avisava (há alguns quilómetros) que o gasóleo que tinha no depósito do carro dava para zero quilómetros. Acabámos por parar para perguntar onde havia uma bomba e metemos gasóleo no Cercal. Aproveitámos e jantámos lá. Lá fizemos a Costa Vicentina toda até Bensafrim, depois apanhámos a Via do Infante e fomos para Albufeira para a casa da Ana. Enquanto estávamos a descarregar as compras dela (havia sacos espalhados pelo carro todo) descobrimos que não sabíamos onde estava o saco com os abajours (a Ana também tinha comprado um). Virámos o carro do avesso e nada… Nem queríamos acreditar!!! O saco terá ficado, possivelmente, no chão do parque de estacionamento do Ikea… Além dos nossos abajours, havia todas as compras da Ana na feira da ladra e umas molduras que a Kika me pediu para comprar, uma vez que precisava delas com urgência (como pão para a boca). Ficámos destroçados. Lá voltei eu para casa, sem gasóleo nenhum novamente, pois só tinha posto dez euros para desenrascar uma vez que eu só meto ao desbarato o gasóleo do Retail Park que é mais barato. Chegado a casa ainda descarreguei tudo. Pensei que já que estava mal visto perante a vizinhança, já não havia mal nenhum e portanto descarreguei também o móvel para casa. Uma vez que estava a fazer aquele serviço sozinho, tive que vir sempre com o móvel a rojar pelo chão. Um barulhão à 1 da manhã do pior que podia haver.

Ontem de manhã voltei a acordar cedíssimo para ir para à feira das velharias vender. Mal cheguei, ainda nem tinha exposto os artigos no chão em cima da manta e já tinha um homem de roda dos meus sacos. Lá tive que lhe prestar atenção e vender-lhe umas sandálias por um euro. O homem lá foi então carregado não só com as minhas sandálias, como também com a minha carteira. Só passada uma hora, mais ou menos, é que eu dei por falta da carteira. Vimos logo quem a teria roubado pois o mesmo homem já tinha, na última feira que fomos, roubado um colega nosso e, não satisfeito com isso, tinha aproveitado também por discutir com o assaltado e cuspido para cima do desgraçado. Lá estava eu vendendo, a pensar que o dinheiro das vendas iria reverter para a renovação do stock de documentos da minha carteira quando me apareceu, já no fim da feira, um ANJO. Gira, gira… Tão gira que me perguntou se podia pagar as coisas com cheque pois só tinha dez euros em numerário. Sendo eu um vendedor moderno, de tudo aceito. Embora o futuro aceite VISA, tal modalidade de pagamento ainda não é possível na minha banquinha uma vez que ainda não me desloquei ao banco para me inteirar dos procedimentos a ter para adquirir o aparelho necessário para o efeito. A seu tempo, tudo haverá, é preciso é calma… Comprou-me trinta e seis peças. Entusiasmado com as vendas, propus-lhe um encontro na minha casa durante um dia desta semana. Terá que ser até 5ª feira pois irá embora para o Porto nesse dia. Trocámos os números de telefone e ela ficou de telefonar antes para combinarmos. Nada disso que estarão por aí já a pensar. Virá à minha casa para ver mais artigos que eu tenho para venda. ;)

Quando cheguei a casa, carregado com o material da feira, deparo-me no tapete de entrada da minha porta com um bilhetinho azul (giro o bilhete) que li num ápice. Que dizia o bilhete??? Bondoso como sou, e compreensivo com a vossa curiosidade, embora seja um bilhete muito pessoal (LOL) vou digitalizá-lo e disponibilizá-lo para todos vós:
Também sou um tudo-nada interesseiro. Coisa pouca, é certo, daí ter digitalizado o bilhete. Achei que daria um ar mais leve ao post para não aparecer um monte de letras sem nenhuma imagem para desanuviar a escrita.

Continuando… Telefonei e do outro lado atende uma senhora com sotaque de leste a dizer que tinha achado a minha carteira mas que esta não tinha dinheiro nenhum. Combinei encontrar-me com ela em frente à Câmara Municipal passados 10 minutos e lá fui. Apareceu a senhora, deu-me a carteira com todos os documentos que lá tinha. A única diferença era mesmo a carteira. Todos os documentos estavam dentro de uma outra carteira velha e a senhora tinha-a achado ali perto em cima de um banco. Felizmente que o ladrão era honesto e devolveu todos os documentos. Fiquei até com alguns remorsos por ter pensado mal do senhor. Se fosse um mau carácter como eu, teria logo deitado a carteira no lixo e não se tinha preocupado com os documentos. Depois lá estive de conversa com a senhora que também é habitué das feiras e despedi-me com mil e um agradecimentos (a olhar para a cara dela) até à feira de 6 de Junho em Ferragudo.

Beijos e Abraços

10 comentários:

melocoton disse...

Realmente sempre te acontecem coisas!!!!!!!Mas a carteira...é um pouco de desleixo, certo!!!!
Tens de confiar menos nas pessoas.....Agora vais gastar dinheiro numa carteira nova....Sim, porque não acredito que andes um dia que seja com uma carterira velha e feia!!!!!
Continua a divertir-te e a divertir-me com os teus posts....
jinhos

just me disse...

Com tão longo post, um comentário a contradizer... curtinho, curtinho!
É mesmo a tua cara, tudo!...desde as compras (perderes a cabeça e comprar tudo o que vês, e aquilo que imaginaste ver), o espaço para as pôr no carro (se estivesses com vontade de gastar algum, tinha-te alugado uma carrinha, baratinha...), o engano (mais uma vez) pelas estradas de Portugal (lembra-me te de avisar que agora já há uns aparelhozinhos chamados GPS, talvez um desses não te faria mal nenhum... pede-o já para o teu aniversário, pois para o Natal ainda falta muito e terás muitas mais viagens por fazer até lá...), a falta de gasóleo (essa foi boa, a 0 há já alguns quilómetros!), as compras esquecidas no parque de estacionamento (igual às garrafas de água lá no bar, ou da chávena de café em cima da mesa), o roubo da carteira (essa também soa-me familiar), o barulhão dos vizinhos (depois do post anterior, pensei que irias mudar),... enfim... de ti, não poderia esperar qualquer outra coisa!...

P.S - E já porque vai longo o comentário, quando é que tens um episódio menos desastroso e mais normal para nos contares??? (acho que nunca....)

Bjs

just me disse...

ahhh e esqueci-me de uma!... a minha favorita!
A sorte que este gajo tem em "renovar" a carteira, com todos os documentos...
Há pessoas com sorte...

just me disse...

esqueci-me de mais uma coisa...(prometo que este será o último, pois não quero contribuir para aumentar assim muito o número de comentários, enquanto o meu blog está a 0's...)
Coitada da Ana, tenho pena dela ter perdido as coisas (muito provavelmente por culpa tua), e também pelo facto de ter de se sentar num espaçozito minúsculo do teu carro... :)

Bé disse...

Peripécias,quem as não tem?
Mas no teu caso,diria mesmo,que seria do teu dia a dia,sem as tuas famosas peripécias...?
São intermináveis e se por um lado,ás vezes um pouco aflitivas,como a história da carteira,que felizmente o seu conteúdo apareceu,por outro tens sempre que contar cenas que fazem rir qualquer pessoa,e sendo que nessas alturas enquanto comentas as inúmeras histórias da tua vida,pelo menos não falas da vida dos outros,porque há pessoas que teêm uma vida tão futil,que nem se dão ao luxo de ter peripécias,falando apenas da vida alheia.
Também deves arranjar um tempinho para as fofocas,mas isso é outro assunto...mas continua a ser como és,porque estou certa que há imensa gente a achar-te graça e sem as ditas peripécias,não sei como seria???
Beijos,

Andarilho disse...

P/ Melocoton:
Eu sou distraído em determinadas coisas, sempre fui e, por mais que tente, acho que sempre serei. Naquilo que me interessa mesmo, mesmo, mesmo, não sou distraído ;)

Óbvio que não vou andar com uma carteira velha e feia atrás de mim. Sabendo eu que perco com frequência a carteira, quando fui a Bangkok há 3 anos, comprei logo uma para quando perdesse esta. Não que não a tenha perdido já muitas vezes... Perdi muitas, mas também não tenho culpa de a achar ou, quando é roubada (já foi três vezes), aparecer mais tarde com os documentos todos. Desta vez é que vieram só os documentos, a carteira foi-se. :(

Bj

Andarilho disse...

P/ Just me:

Para quem pensava em fazer um comentário curtinho, curtinho, parece-me que te excedeste um pouco, ou não? ))))
Eu sei que estas coisas são a minha cara e nunca me ocorreu ter um GPS. A única vez que pensei que fazia jeito foi da última vez que fiz o caminho errado para o Algarve e estava sozinho no carro. Desta vez não me importei. Ia com a Ana e sabia onde estava (quando percebi que me tinha perdido). Também se não me tivesse perdido não conhecia nem jantava no Cercal…
Quanto à falta de gasóleo sempre gosto de deixar até ao fim. Por um lado acho mais gira esta adrenalina de pensar que vai acabar a todo o momento, por outro gosto sempre de meter no sítio mais barato. Por isso já tive o dissabor de ficar especado no meio da estrada três vezes sem combustível.
Quanto à Ana, não é preciso teres pena porque ela nunca fica para trás de nada.  Também duvido que a culpa das coisas lá terem ficado no chão do estacionamento tenha sido minha, embora a Ana já tenha tentado sugerir isso. Felizmente ficou só pela sugestão…

BEIJO

Andarilho disse...

P/ Bé:

Olá! (reparaste que também meti o ponto de exclaçãozito que tu pões???)

Eu vivo muito sob stress como já deves ter reparado. De tudo eu faço logo um bicho de 7 cabeças quando estou na situação. Imagino sempre 1001 cenários para a continuação das coisas que me provocam stress, mas depois tenho sempre sorte e as coisas acabam por acontecer como eu quero (quase sempre).

Não julgues tu que eu também não gosto das coisas fúteis. Não só não gosto como adoro gostar de coisas fúteis. O conceito de futilidade, de pessoa para pessoa, é que muitas vezes é discutível. Mas eu costumo avisar logo as pessoas, pelo sim, pelo não, que sou fútil e que gosto de sê-lo.

Fofocas já gostei. Cada vez me interesso menos por elas, a menos que o motivo seja mesmo imperdível.

Beijos.

Anónimo disse...

Recado para Just Me: muito agradecida pela solidariedade demonstrada...nem sabes o que passo com este GAJO.

O menino Zé não contou que no dito saco perdido estavam imensas coisas que comprei com muito amor e carinho pela quantia aproximada de 9 euros.
Quanto às peripécias...o trivial...sendo que já te conheço de "gingeira" e dado que nesse aspecto até somos um bocadinhoooooooooo parecidos!

beijos despistados
anaG

Andarilho disse...

P/ anaG:
Uma vez que o comentário foi para a just me, não foi para mim e ainda por cima não foi para falares maravilhas da minha companhia vim só aqui repor a verdade dos factos.
Parecidos nada! Tu é muito pior e mais despistada do que eu. Ao pé de ti eu sou um organizadinho e certinho do pior que há.

Beijos