quinta-feira, 15 de maio de 2008

VIZINHOS


Hoje cheguei à conclusão que os meus vizinhos estão de mal comigo.

As coisas já há tempo que não correm pelo melhor com um dos meus vizinhos do andar de baixo. Eu moro num último andar recuado e, na parte da frente da casa, tenho um terraço que fica por cima de um apartamento. Sendo o terraço grande, tem muito espaço para os miúdos andarem de bicicleta, de trotineta e, recentemente, de patins. No início eu não tinha noção que os barulhos passavam para o andar de baixo, uma vez que não ouço sons de ninguém já que não tenho ninguém em cima e não tenho paredes com comunicação com o meu vizinho do mesmo andar. O único barulho que ouço exterior à minha casa é no pátio dos elevadores e, ainda assim, raramente.

Na altura em que fui administrador é que tomei conhecimento que os desgraçados que moram nos andares de baixo ouvem tudo o que se passa por cima deles. Enquanto presidia a reunião de condomínio fui, inclusivamente, confrontado pelos meus vizinhos de baixo, do barulho emanado da minha casa. Procurei a legislação e convoquei nova reunião de condomínio a informar os condóminos dos horários, dos decibéis permitidos e o que deveriam fazer (comunicar às autoridades) numa situação que se justificasse.
Passei a ter a paranóia do barulho e a dizer aos miúdos que não o fizessem porque incomodavam os de baixo. Claro está que eles pouco se importam. Apesar de estarem proibidos de andar quer de bicicleta, quer de trotinete no terraço, não fazem caso. Especialmente a trotinete faz um barulho por demais. Também não podem jogar à bola porque pode cair para a rua... Enfim, pouco podem fazer no terraço a não ser estarem sentados na cadeira a conversar, coisa que nunca fazem!
No Domingo veio cá jantar a casa uma amiga e o filho que é da idade do Gonçalo. Os miúdos correram a casa toda na brincadeira e resolveram depois ir para o terraço andar de patins. O amigo, uma vez que não tinha patins, andava de trotinete. Um barulhão que só visto e nós na sala a conversar... Dez minutos bastaram para tocarem à campainha. Logo vi e confirmei quando espreitei pelo buraquinho da porta, que se tratava do vizinho do andar de baixo. Fiquei desvairado!! Abri a porta e era o senhor a dizer que não se aguentava com o barulho e que aquilo era todos os dias e mais isto e mais aquilo. Eu irritei-me com os modos do senhor e respondi-lhe meio torto. O senhor foi-se embora amuado e eu proibi os miúdos de andarem no que quer que fosse no terraço.
Hoje de manhã, fui levar os miúdos à natação e tive de voltar a casa antes de ir para a escola para descongelar comida para o jantar porque me tinha esquecido. Cruzei-me com o senhor do quinto andar, que era um dos com que eu mantinha conversa normalmente, e o homem de trombas comigo. Lá subi eu no elevador calado com ele ao lado. Chegámos ao quinto andar e o senhor saiu e nem "até logo" me disse... Sabendo eu como ele é, militar reformado, vi logo que deveria ter falado com o outro e que, desaprovando a minha falta de consideração pelo próximo, optou por cortar relações comigo.
Pouco deve faltar para já ter tudo a falar mal de mim na porta de entrada do prédio onde se juntam as pessoas. A pensar eu que quando não tinha nada que fazer juntava-me a eles para fazer o mesmo dos outros!
Beijos e Abraços



8 comentários:

melocoton disse...

POis, isso dos vizinhos, deve ser um grande problema, se bem que ainda não sei bem as consequência de viver por cima de outrem. Para já ainda não fiz nenhuma festa que motivasse alguma reacção dos vizinhos. Logo saberei.....e, claro, o relato constará deste espaço....
De qualquer mnaneira, tens duas formas resolver o problema e tudo voltar à normalidade: 1-os miúdos crescem e deixam de fazer barulho. 2- o tempo passa e os vizinhos esquecem-se ....

Andarilho disse...

P/ Melocoton:
Para estimular os vizinhos a manifestarem a sua indignação ou para verificar os isolamentos da tua casa nova, sugiro que me convides para a festa. Já sabes que eu não me calo e que não sou propriamente pessoa de falar baixo.
Bj

just me disse...

Como eu te compreendo, e sei que não é nada fácil lidar com situações destas. Foi precisamente pelos vizinhos (e seus comportamentos/falatórios/queixas/...) que decidi sair do apartamento e morar num sítio onde posso fazer todo o barulho que quiser, pois não tenho ninguém por cima, nem por baixo, nem paredes meias... E só agora percebo (e aceito mais facilmente) essa lei de que só se pode construir uma casa a pelo menos 5 metros de distância do limite do terreno (e por conseguinte, a 10 metros da casa do vizinho do lado!!!)
Quanto à ultima frase...bem sei que adoras uma cusquice, e só não te juntas aos vizinhos a falar mal de outros pelo simples facto de teres um montão de coisas para fazer (o blog, msn, hi5, cuscar blogs alheios, sms's, chamadas temefónicas até às 3 a.m., ...)! Quem trabalha muito é assim, deixa de ter tempo para os outros!

Bjs e Bom fim-de-semana!

P.S. Em relação às duas imagens que aqui colocaste...tenho a sensação de as ter visto ontem, no pc do meio (em frente à janela), la na salinha... até achei piada à última imagem e copiei-a para a minha pen, não fosse um dia precisar de a colocar no meu blog... Portanto, se algum dia vires a mesma no meu, ficas já avisado de que não a copiei daqui (escusas de gastar dinheiro em tribunais e advogados, nem gastar tempo nessas futilidades, quando tens coisas muito mais importantes para fazer, coisas essas que eu já aqui referenciei anteriormente!)

Andarilho disse...

P/ Just Me:

É verdade! Eu sou um homem de muitos afazeres como tu te deste ao trabalho de enumerar no teu comment. Tantos afazeres que tenho que me despachar a responder a isto porque, sendo sexta-feira à noite, terei de sair. Amanhã também me esperam um monte de trabalhos fúteis que não posso deixar para depois.

Quanto às imagens que encontraste no dito computador do meio junto à janela da salinha, já as tratei de apagar mas, pelos vistos, não cheguei a tempo. Ora, sendo eu uma pessoa de 1001 ocupações, tenho que aproveitar todos os tempos mortos na escola para procurar material com vista a enriquecer a minha obra literária que, como verificas, está com uma produção quase diária.
Como sabes eu sou super-altruísta pelo que não me oponho à publicação da imagem por mim roubada da net desde que referencies a fonte ou seja, por baixo da imagem escreves "Imagem (roubada) gentilmente cedida por Andarilho".

Bom fim-de-semana também para ti.

BEIJO.

melocoton disse...

Migo, quando quiseres aparecer...és bem vindo, agora festa, festa!!!! só quando o tempo me convencer a estar de janelas abertas..... e com espírito para a coisa...

Anónimo disse...

Posso concluir,que não é nada fácil habitar num condominio.
Nunca tinha tido qualquer problema,com vizinhos,mas há uns meses atrás,fui abordada nas escadas,pela vizinha debaixo,que de uma forma desagradável,me disse que não podia andar calçada em casa,e veio logo com a ameaça que chamaria a policia...
Por demais esta situação,claro que fiquei irritadissima e disse-lhe que chamasse a policia,mas que não havia lei que o proibisse.
Mas o que me irritou mesmo,foi de facto o tom de voz e os modos que usou,quando se dirigiu a mim.
Reconheço que tenho umas botas um pouco ruídosas,por vezes chego a casa almoço, e saio,e claro que não vou perder o meu tempo,a calçar-me e a descalçar,tenho mais que fazer...
Continuei a encontrar a dita vizinha,e sempre lhe dei os bons dias,como se nada se tivesse passado,sem que me respondesse,mas não deixei de o fazer,pois o marido sempre me cumprimentou,e nos dias de hoje também ela me cumprimenta.
Enfim...vizinhos!
Beijos,

SRRAJ disse...

hummmmm,
se a memória não me trai, já há sensivelmente um ano se passava o mesmo relativamente ao terraço. Vizinhos pacientes os teus ...
Beijo
Sandra

Andarilho disse...

P/ Bé:
Felizmente estas coisas não me acontecem só a mim. De qualquer forma eu continuo sem a noção exacta dos barulhos que vão para o andar de baixo. Ontem estava a aspirar e já com o coração nas mãos só de pensar o que diria ao homem se este resolvesse aparecer-me aqui em casa outra vez com o mesmo discurso. Enfim...
Beijo.


P/ SRRAJ:
Que culpa tenho eu? Quem manda as pessoas não isolarem os tectos das suas casas? O terraço é o mesmo e não saiu do mesmo sitio...
Beijo.