sexta-feira, 6 de junho de 2008

ÚLTIMO DIA


HOJE FOI O MEU ÚLTIMO DIA DE AULAS.
Claro que ainda não estou de férias, tenho reuniões, substituições e mais um monte de outras coisas até meados de Julho (na melhor das hipóteses).

Ao mesmo tempo que estou sempre desejoso que este dia chegue porque marca uma diminuição da carga de trabalho depois, quando chega, fico sempre com pena de ter sido tão RÁPIDO.

Já tenho estas turmas há 3 anos. Tão diferentes os miúdos há 3 anos. A minha Direcção de Turma metia-me a cabeça em água. Do piorio aqueles moços. Não havia dia em que eu chegasse à escola e que não recebesse participações de mau comportamento. Até ao meio do segundo período já tinha tido nove reuniões de Conselho Disciplinar. Tudo eles arranjavam. Tão infantis que eles eram: "Professor é só para avisar que aquele menino me chamou um nome malcriado", " Posso escrever o sumário a vermelho ou tem que ser a azul?". No dia da eleição do delegado de turma, uma delas até chorou porque não tinha sido eleita, apesar de ter feito uma campanha eleitoral enorme para que os colegas votassem nela. Desde um deles ter apanhado uma bebedeira antes de uma aula e sair a meio da dita directo para o hospital (quase em coma alcoólico), até um grupo de meninas roubarem uma palete de Ice Tea de uns fornecedores e, depois, distribuírem gratuitamente pelos restantes colegas da escola na esperança de não serem descobertas, de tudo eles aprontaram...

Não havia dia da semana que aquele livro de ponto não tivesse CARREGADO de faltas. Logo no sétimo ano tive alguns a reprovarem por falta de assiduidade e, no fim, metade ficou no sétimo.


Entretanto eles cresceram (eram todos mais baixos do que eu, hoje são quase todos mais altos) e a nossa relação modificou-se. Criou-se entre nós uma relação de cumplicidade e respeito mútuo que só se consegue com o tempo. Claro que a relação professor-aluno mantém-se e a necessária distância entre nós também, mas a confiança já é muita e a distância muito pouca. Já há muito que sabem quando estou na brincadeira a falar mal deles ou a sério a falar mal deles. Já falamos da nossa vida privada naturalmente como se fizéssemos todos parte do mesmo grupo.

Foi giro no meu dia de anos, ao chegar ao portão da escola ter os miúdos à minha espera a cantarem-me os parabéns ou a fazerem-no no polivalente dos alunos no intervalo das 10h com aquilo cheio de gente. Ontem, na aula com a minha Direcção de Turma, estávamos todos tristes porque era a nossa última aula. Uma até chorou ao dizer que ia ter saudades minhas. Isto depois de me entregarem o dinheiro para substituição do banco que partiram anteontem. Mandaram-se seis para cima do banco e este partiu-se... :) Foi giro.

Há cinco minutos tive um aluno no MSN a pedir-me que fosse eu a fazer-lhe a vigilância dos exames de Língua Portuguesa e Matemática porque tem tido crises de pânico nestas duas últimas semanas motivadas pelo receio de reprovar. Esta semana falei imenso com o miúdo, pais e hoje, finalmente, consegui que fosse ouvido pela psicóloga. Está mais calmo, mas diz que só se sente calmo mesmo se eu estiver por perto no dia dos exames.

Claro que eles no próximo ano voltam sempre para "matar" saudades, mas é sempre diferente. Parece que estou noutra realidade e que a confiança que existia já não é a mesma. Às vezes nem me lembro do nome deles todos :( É mesmo assim...
Estar a trabalhar na escola sem a confusão e o barulho dos miúdos é esquisito e não gosto. Prefiro a CONFUSÃO por eles causada.


BEIJOS E ABRAÇOS

7 comentários:

Ana GG disse...

Ora quem diria que por detrás dessa mente obscura está um doce de pessoa...com sentimentos e TUDO!

Gostei deste post!
Beijos e abraços (como dirias tu)

SRRAJ disse...

Oi,
nunca tive o prazer da "continuidade pedagógica". Vamos lá a ver se é este ano.
Beijoca atarefada.

just me disse...

Bem sei o que estás a sentir, não por ter dado continuidade a nenhuma turma (uma vez que nunca me permitiram isso... será desta vez?) mas sim, por ter de ser EU a ter de me ir embora e deixá-los para trás. É que, apesar de muitas desavenças (por vezes), também sintia que fazia parte desse grupo.
Ora, falando concretamente da tua turma, pareciam-me simpáticos, embora tenha assistido a muitas coisas (a do banco partido, por exemplo, ou à entrega das inúmeras participações!)... e de há algum tempo para cá, reparei nessa vossa cumplicidade... As meninas chamavam-me mais à atenção (mesmo não sendo minhas alunas, já conhecia o seu perfil), os meninos...alguns mais calados passavam-me ao lado, mas os restantes fizeram-me rir nas aulas de acompanhamento!
Serão sempre boas recordações que farão parte da tua vida e a distância (como em qualquer tipo de relação) faz desaparecer aquela "química" entre as pessoas...é a própria lei da vida...
Não te preocupes, saiem uns, entram outros... e para o ano, será uma nova turma de 7º a iniciar o mesmo tipo de percurso contigo!...quem sabe, melhor ainda que com estes!
Bjs

Anónimo disse...

EIS UM POST QUE ME APETECE COMENTAR:):).
TAMBÉM EU JÁ SINTO SAUDADES DO BARULHO DOS MIÚDOS.ALIÁS A ESCOLA,SÓ FAZ SENTIDO COM ELES PRESENTES,COM OS SEUS DISPARATES,GOZOS,GARGALHADAS,ENFIM-O PACOTE COMPLETO.
PASSAM TANTOS PELAS NOSSAS "MÃOS" QUE POR VEZES É COMPLICADO LEMBRARMO-NOS DE TODOS,CLARO QUE HÁ UNS QUE NOS MARCAM MAIS QUE OUTROS(ISTO NÃO SE DEVIA DIZER:)).
O ÚLTIMO DIA É SEMPRE UMA MISTURA DE EMOÇÕES:SENSAÇÃO DE "DEVER CUMPRIDO",TRISTEZA,EUFORIA,SAUDADES...
É BOM(FAZ-NOS BEM AO EGO)OUVIR GRITAR QUE VÃO TER SAUDADES NOSSAS,QUE FOMOS "A PROF MAIS FIXE QUE TIVEMOS),COMOVEM-NOS AS LÁGRIMAS QUE ALGUNS DEITAM,FICAMOS TRISTES(FALO POR MIM)POR SABER QUE DIFICILMENTE VOLTAREI A ESTAR COM ELES NA ESCOLA.
TROCAMOS MORADAS,MAILS,ATÉ Nº DE TELEFONE,NUMA TENTATIVA DE MANTER CONTACTO FORA DA ESCOLA.
GOSTO DE PENSAR QUE OS AJUDEI,QUE LHES ENSINEI NÃO SÓ O PROGRAMA,MAS TAMBÉM,A VEREM A VIDA(A DELES)COMO ALGO EM QUE VALE A PENA INVESTIR,QUE EXISTEM MIL E UM CAMINHOS PARA ESCOLHEREM,QUE DEVEM SEGUIR OS SEUS SONHOS E NUNCA BAIXAR OS BRAÇOS.
SIM,PORQUE PARA MIM,SER PROFESSORA,NÃO É SÓ CHEGAR E "DESPEJAR MATÉRIA",É CONSEGUIR CRIAR LAÇOS COM OS MIÚDOS,CONQUISTAR A SUA CONFIANÇA.

PS:AGORA,NA ESCOLA,ESTÁ UM SILÊNCIO TERRÍVEL...
SAUDADES DOS MEUS MENINOS:(

BEIJO,MARIA:)

Andarilho disse...

P/ ana GG:
Qual mente obscura? Não percebi o comentário. Eu já estou farto de te dizer e demonstrar que sou uma pessoa sensível, tu é que é que achas sempre que eu sou do piorio.

Beijos

(vou-te explicar porque termino os posts com beijos e abraços. Quando comecei o blog estava em viagem e era o modo que eu utilizava para me corresponder com as pessoas. Assim sendo, e como encarava os posts como cartas a descrever o que fazia no dia-a-dia, no final despedia-me com bjs para as meninas e abraços para os meninos. Depois, os posts deixaram de ter essa função, mas por uma questão de hábito, assim continuei. De qualquer forma, quando dirijo um post a uma determinada pessoa, só escrevo no final beijo ou só abraço, conforme o caso.
Nunca se dá o caso de eu dar a uma só pessoa beijos e abraços logo de uma vez só. Isso é por demais e, embora eu seja dado a exageros, sou poupado neste âmbito (e em quase tudo o resto face à minha situação económica) embora reconheça que não devia ser.

Outro Bj.


P/ SRRAJ:
São completamente diferentes as aulas quando se está a dar continuidade a uma turma. Ganha-se logo o primeiro período em que não é necessário o tempo para conhecer os alunos e vice-versa. Já se sabe previamente quais são as regras e o modo como lidar-mos uns com os outros. Além disso há sempre a intimidade que se conseguiu com o tempo e que dá logo um “à vontade” grande de parte a parte.
Beijos.

P/ Just me:
Engraçado que não me lembrava dessa situação que te acontece a ti e a muitos outros professores. A mim só me aconteceu uma vez, quando mudei para esta escola e deixei os miúdos noutra. Nas outras duas vezes em que mudei de escola foram situações em que, tanto eu, como os alunos mudaram de escola.

P/ MARIA:
TU COMENTASTE UMA COISA QUE EU CONCORDO INTEIRAMENTE MAS QUE NO INÍCIO, QUANDO COMECEI A DAR AULAS, NÃO DAVA IMPORTÂNCIA NENHUMA E ATÉ DESVALORIZAVA POR COMPLETO: A DISTÂNCIA QUE EU GOSTAVA DE MANTER COM OS ALUNOS.
HOJE EM DIA CADA VEZ MENOS TENHO ESSA DISTÂNCIA, EMBORA EXISTA SEMPRE AQUELA QUE EU CONSIDERO RAZOÁVEL E ESSENCIAL PARA QUE HAJA O CUMPRIMENTO DE REGRAS E O RESPEITO POR UMA HIERARQUIA QUE EXISTE E QUE TERÁ SEMPRE QUE EXISTIR (AQUI NA ESCOLA E NO RESTO DA VIDA). INCLUSIVÉ ACHO QUE OS ALUNOS PREFEREM PROFESSORES QUE LHES IMPONHAM O RESPEITO E NÃO AQUELES QUE DESCEM TÃO AO NÍVEL DELES QUE, EVENTUALMENTE, SE CONFUNDEM COM ELES.

BEIJOS.

MELOCOTON disse...

Há uma tendência natural de ficarmos a gostar mais dos "meninos" rebeldes. As asneiras e disparates podem ser muitos, mas são os 1ºs nomes a serem decorados, os que nos ocupam mais a mente e no fim deixam saudades. Normalmente sinto alguma nostagia quando o ano lectivo acaba, mas este ano nem por isso. Não sei se será por estar apenas com adultos e só com noite!!!!! Apesar de tudo, a escola apenas é escola quando o barulho e a confusão são uma constante, por mais criticas ou dores de cabeça que nos provoquem....
OFEREÇO-TE UM MIMINHO: PENSA NAS FÉRIAS, NA PRAIA, NOS FINAIS DE TARDE SEM TER DE PENSAR EM TRABALHO...UMA INFINIDADE DE COISAS BOAS QUE O VERÃO PROPORCIONA...
JOCAS

Andarilho disse...

P/ Melocoton:
Tens razão! Os rufias são sempre aqueles que nós não esquecemos o nome ou então aqueles bons alunos (mesmo, mesmo bons). Os "médios", os que não causam grandes problemas, como constituem a maioria, acabam por depois fazer parte daqueles que nos esquecemos mais facilmente por não se desviarem muito da norma.
ATENÇÃO: Eu adoro as férias, adoro não ter nada para fazer (por obrigação) e raramente me farto muito desse estado. Adoro o Verão também. :):)

Bjs.