domingo, 13 de julho de 2008

JJJADORO!JJJ

imagesgf

Hoje foi a festa do ATL dos meninos. Todos os anos, no final do ano lectivo, eles preparam actuações para a festa. Eu, óbvio, todos os anos lá estou caído com a máquina fotográfica em punho! ADORO! Eles ADORAM a festa, ADORAM que eu vá e...

ADORAM QUE EU ADORE.

Eu acabo as aulas no fim de Junho e estou sempre a pensar que posso fazer uma série de coisas com eles durante as tardes. Nunca posso! Há sempre ensaios disto e daquilo e têm que ficar lá a tarde toda. Esta semana, na quinta-feira fui buscá-los três vezes à tarde. Nunca podiam vir porque ainda faltava ensaiar e eu nem podia ficar lá à espera porque não podia ver uma vez que é surpresa. Claro que eu já sabia o que eles iam cantar ou dançar, mas não posso ver antes da festa.imagesui

Ontem, sem nada que fazer à noite, resolveram fazer-me a demonstração de todas as músicas e coreografias que iriam ser apresentadas hoje. Eles sabiam não só as coreografias deles, como também as de todos os outros que também iriam actuar. Qual era o meu papel ontem à noite? Simples! Fazer a pesquisa das músicas no youtube e permanecer sentado no sofá a olhar para eles. Estava proibido de cantá-las, só eles o podiam fazer.

Hoje foi mesmo engraçado. Estava eu a ver as actuações deles e dos outros e a reconhecer aquilo tudo de ontem à noite.

Estas festas para mim são IMPERDÍVEIS. Nunca faltei a nenhuma. Mesmo quando eles andavam no berçário e pouco ou nada faziam a não ser andar de mão dada uns com os outros em comboio, eu achava o máximo. Não consigo compreender os pais ou mães que não têm tempo para assistir a estas coisas. Acho que nem sequer têm a noção não só do que perdem, como também na decepção que causam aos miúdos por não aparecerem. A festa tem como objectivo a apresentação aos pais deles, não aos pais dos outros. A primeira coisa que eles fazem mal entram no palco é localizarem-nos no meio daquela multidão. Depois sim, ficam descansados. :):)

BEIJOS E ABRAÇOS

17 comentários:

Anónimo disse...

Obrigada... Andarilho.

Andarilho disse...

P/ Anónima:
Agora responda-me. Porquê a pergunta???

Anónimo disse...

Simplesmente porque ao longo da leitura que tenho feito de todos os seus post's, achei curiosas as várias referências que faz aos seus filhos, pelo jeito como fala deles.

Sabe, não posso estar mais de acordo consigo naquilo que escreveu no post de hoje. Infelizmente, existem demasiados pais e mães que não têm a mínima noção da importância do seu papel, na participação na vida dos filhos.

Passem um óptimo Domingo.


Até...

SRRAJ disse...

Oi Andarilho,

tens toda a razão nisso que escreves (que não te suba à cabeça eu ter-te dado razão).
Tenho uns pais espectaculares que sempre estiveram presentes e me apoiaram em tudo o que fiz.
Mas quando olho para trás e me lembro dessas pequenas grandes actividades, há um episódio que não me sai da memória.
Por incrível que hoje te possa parecer em tempos, muito remotos, já pertenci a um grupo de teatro. E até tinha jeito para a coisa.
De vez em quando tinhamos actuações. Uma delas foi no hospital no qual a minha mãe estava hospitalizada.
A minha mãe não foi ver a peça. Subi ao quarto para ver se estava tudo bem, porque na minha cabecinha tinha de ter alguma coisa. Mas não aconteceu. "Eu ouvi as pessoas a rirem lá em baixo. Mas não me apeteceu ir." Nunca esqueci, e quando por vezes a minha mãe insinua que não a envolvo o suficiente na minha vida, é este episódio que me vem à cabeça. Obviamente que também houve bons momentos, mas aquele foi uma desilusão... No ano seguinte deixei o grupo de teatro.

Andarilho disse...

P/ Anónima:
Eu sei disso e sempre me fez uma confusão (só desde que sou pai, reconheço) dos diabos.
(Espero que tenha gostado deste fds)
Bjs

P/ SRRAJ:
Pois. São esse tipo de coisas que eu não lhes quero deixar de recordação. Eu sei que eles sabem que eu gosto muito de ver as coisas deles. Mas gosto mesmo, não vou só para lhes fazer o jeito.
:)
Bjs

Anónimo disse...

Boa noite, Andarilho.

Espero que tenham passado um óptimo Domingo.

Fins-de-semana não são mesmo o meu forte. Melhores dias virão!

Bom início de semana.

Até...

Andarilho disse...

P/ Anónima:
Boa noite

Passei um Domingo normal.
Porque não gosta dos fds? Não tem os seu(s) filho(s) consigo? Eu faço estas perguntas e nem sei a sua idade ou seja, tanto pode ter um bebé como ter filhos casados, não faço ideia... Não faço ideia se vive sozinha, se é casada, sei lá... Não faço ideia de nada... :(
Temos que marcar o interrogatório para um dia destes.

Acabei de pegar no pincel para ver se acabo o quadro de uma vez, já o tinha metido de parte. Reconsiderei.

Obrigado e boa semana para si tb.
:)

Anónimo disse...

Olá, Andarilho.

É engraçado o seu jeito para me fazer sorrir. :)

Diz que acabou de pegar no pincel para acabar o quadro para a tal parede da sala, que está mesmo a precisar. Fico à espera do resultado final, está combinado?
Sabe que isso me deu algum ânimo para voltar a tentar terminar os documentos que tenho em atraso e nem cheguei a enviar ao formador? Estou com dificuldade em concentrar-me mas preciso fazer um último esforço. É necessário que eu os termine. Tem mesmo que ser!!!

Olhe lá, outra coisa!!! Não seria boa ideia esquecer essa sua intenção de fazer
interrogatórios????!!!!! Não estou mesmo nada a vê-lo no papel de "inspector". ;)
Então não é muito mais agradável irmos "conversando ao sabor dos post's" do que tornar isto num diálogo "enfadonho"???? ;)

Pense nisso...

Até...

Andarilho disse...

P/ Anónimo:
Não me parece que seja eu o único a não gostar de ir "falando" UNICAMENTE "ao sabor dos posts". Muitas vezes também me faz comentários ou coloca questões que vão para além dos posts. Essa decisão parece-me "um pouco" unilateral (da sua parte). Pode-lhe parecer estranho mas condiciona muito o tipo de respostas que eu lhe dou aos comentários que me faz.

Pense nisso...

Até... (copião como sou, copiei a sua despedida. Os bjs estão suspensos!) ;)

Anónimo disse...

Acabei de ter uma ideia brilhante!!!!

Realmente não faz sentido nenhum colocar-lhe questões, sejam elas quais forem. Muito menos sentido faz, condicioná-lo nas respostas.

Não vou desistir de querer ver o resultado final do seu quadro. Não sei bem como, mas você tem uma enorme criatividade. ;)

Imagino que este ano voltará a fazer mais uma das suas viagens. Também irei estar atenta pois fiquei encantada com as descrições e as fotos que publicou.

Foi um prazer enorme ter passado por aqui...

Aqui vai a ideia:
Declaro que dou início às minhas férias!!!

Obrigada pela paciência.

just me disse...

Uma pessoa ausenta-se um ou dois dias deste blog (pois eu adoro fds e faço tudo aquilo que me apetece e que tenho mais tempo para o fazer, sem vir para cá meter-me na net!) e é isto que se vê: 30 comentários a um post ultrapassado (em termos de prazo de validade), outro post novo, e já com 10 comentários!... (já agora, parabéns ao novo record: 30 comments!)
Relativamente ao conteúdo do post: já mo tinhas dito (o último parágrafo), por isso não li nada de novo. Como ainda não sou mãe (os cães não contam, pois não?), neste momento penso apenas que iria fazer-lhe o jeito de lá ir vê-los representarem qualquer coisa(tipo frete)... mas acredito que irei mudar de opinião quando me encontrar nessa posição.
Também acredito que há por aí muitos pais que não dão o devido valor a estas pequenas coisas que os miudos fazem, e que lhes devem deixar tristes.
Não me consigo lembrar de nenhum episódio em que eu, criança, estivesse a representar algo para os meus pais... talvez os tempos eram outros e não se faziam essas festas para os pais lá irem...
Enfim...aqui fica a promessa de que irei comentar este post como deve ser, daqui a alguns anos, quando já estiver na tua posição...isto de ainda mantiveres o blog!
Bjs

P.S. Estava a espera de um post em que falasse de sardinhas... não sei porquê!

melocoton disse...

Eu não tenho filhos, tu sabe-lo muito bem, mas sempre considerei que os filhos adoram esse acompanhamento por parte dos pais e quando isso não se verifica, além de ficarei tristes, além de nunca se esquecerem dessa ausência, também vão crescendo a pensar que o que fazem pouco interessa aos seus progenitores, logo a distância vai crescendo....e quando os respectivos pais querem participar na vida dos seus "queridos filhos" já é tarde, porque AÍ, são eles que não o consideram necessário, mas, interiormente, continuam a cobrar essa ausência....
Por isto tudo, dou-te os parabéns, és um excelente pai, pela atenção dada, pela participação activa que tens tido na vida dos teus filhotes.
Beijinhos presentados

Andarilho disse...

P/ Anónima:
Ideia rejeitada.
;)
Bjs

P/ Just me:
Cá te espero outra vez daqui a alguns (muitos) anos.
Bjs

P/ Melocoton:
É esse mesmo o problema. O de muitas vezes os filhos não terem assunto com os pais, precisamente porque estes não se interessam pelos assuntos deles. De facto isso aumenta a distância e é agravado com a idade. Já tinhamos falado sobre isto em tempos. :)
Bjs

Bé disse...

Gostei deste post,pois gosto da forma como te sentes, e comportas no teu papel de pai.
Não sou mãe,mas tenho sobrinhos que amo,e sendo uma tia bastante presente,por vezes não entendo,como há pais que não se esforçam minimamente.
Sempre que posso também vou a todas essas festinhas,e emociono-me sempre,porque as crianças são demais,e surpreendem sempre!
Este ano não consegui ir, a festinha de Natal do meu sobrinho,que tem quatro anos e nem imaginas o meu desgosto,levei a tarde no trabalho irritadissima,porque não poderia ver o meu Kikas (Tomás),a cantar e representar,e ele é muito engraçado.
Quando a minha irmã me disse ,que ele estava girissimo,que quando entrou em cena fez todo o auditório rir,fiquei furiosa,mas babada,claro.
Quando o olhar deles,percorre a sala,para localizarem os pais,o brilho daqueles olhinhos é notório.

Beijos!

Andarilho disse...

P/ Bé:
Como nós nos modificamos quando somos pais. Comigo, pelo menos, aconteceu e nem foi pouco. Nunca foi meu interesse ser pai. Quando em miúdo me perguntavam quantos filhos eu queria ter quando fosse grande, eu nem queria nenhum. Dizia que queria só uma filha (que se chamaria Maria), para não parecer muito mal não querer ter nenhum. Depois, fui pai porque quis, e não imagino a minha vida sem sê-lo.
Bjs

Bé disse...

Ainda bem que és,e mais ainda adoras sê-lo.
Não penses que me estou a atirar a ti.Lol...
Mas acredita,que adoro que um homem seja um verdadeiro pai!
Felizmente que hoje há muitos pais,bastante presentes,por vezes até mais que as mães,mas acho simplesmente formidável.
Bjs

Andarilho disse...

P/ Bé:
Eu também acho que um dos problemas que fazia com que os pais (alguns) tivessem um papel mais secundário na educação dos filhos prendia-se com uma questão de estereótipo. Parecia mal, por isso deixava-se que as mães se ocupassem disso. Os pais ocupavam-se de outras coisas, não menos importantes, mas diferentes. Actualmente acho que cada vez mais os papeis se confundem e se igualam.