quarta-feira, 3 de junho de 2009

Às vezes gostava de não ser assim…

Quando estudava no secundário, tinha uma professora que adorava. Tanto gostava que decidi seguir a mesma área científica. E o que eu mais gostava na disciplina eram precisamente os testes de avaliação. Achava-os mesmo giros. Não só o que era perguntado mas principalmente o aspecto gráfico. As imagens, o tipo de letra e a estrutura utilizados eram giras. Eu até acho que segui esta área não tanto porque gostava dos conteúdos mas porque me permitia depois fazer estes testes lindos. Até a forma como estavam corrigidos, a forma como eram assinaladas as coisas certas e erradas, eu achava que ficavam bem. Pois bem, faço até hoje tudo igual. O mesmo tipo de testes e corrijo-os precisamente da mesma forma. Só tem uma coisinha de nada que eu gostava e que essa professora fazia e que eu, por mais que tente, não consigo AINDA fazer. Tenho pena, a sério que tenho, mas não consigo mesmo. Ela fazia os testes que iria entregar aos alunos ao longo do ano lectivo durante as férias de Verão. Durante o ano só precisava de os fotocopiar à medida que iam sendo necessários. Por um lado tem a vantagem de na altura de maior trabalho lectivo, isso já ter sido feito antecipadamente. Por outro lado, considero que esta é a forma mais correcta de preparar elementos de avaliação que não são logo à partida viciados por já conhecermos os alunos que os vão realizar. Há a tendência de evitar questões que já sabemos, pelo conhecimento dos alunos que temos a nosso cargo, que estes não irão conseguir realizar. De qualquer forma essas são questões pretendem avaliar conhecimentos ou competências que são obrigatórios, de acordo com as orientações curriculares do M.E.. Bem, mas não é isto que me interessa desenvolver aqui, o que me interessa é que eu tenho de fazer tudo em cima da hora e levo num stress dos diabos uma semana antes. E eu não gosto disto, não se pense. Desde que comecei a dar aulas que penso sempre que vou fazer as fichas todas nas férias. Mas não consigo ter tempo. O não fazer nada nessas alturas ainda dá mais trabalho, pelo que não me sobra nada para isto. Hoje tinha de dar um teste a uma turma. Desde 6ª feira passada que tenho andado desvairado com a preocupação de que tinha de os fazer. Só ontem à meia-noite é que me sentei em frente ao PC para fazê-lo. Deitei-me às tantas da manhã porque fazer um teste leva muito tempo. Escolher imagens, gráficos, digitalizá-los, alterá-los… Depois arranjar um conjunto de questões que não se limitem a testar conhecimentos, mas também a testar competências de forma o mais abrangente possível. Isto tudo com a impressora a dizer que a tinta do cartucho de impressão estava no fim…

De qualquer forma melhorei um bocadinho. Da última vez que fiz um teste ainda foi pior, a antecedência foi quase nenhuma… Pelo menos já os fiz hoje e já os corrigi durante toda a tarde (5 horas) que tive na escola de seca à espera de uma reunião que durou 10 minutos. Na próxima 3ª feira volto a ter teste noutra turma. Já estou doente, mas estou mesmo a ver que só vou conseguir fazê-lo na 2ª à noite. :(

Beijos e Abraços

6 comentários:

JS disse...

Tem calma,está quase a acabar...

SRRAJ disse...

Pensava eu que era metódica e organizada. Essa tua professora é muito à frente. quando for grande também quero ser assim ...
Beijo

'C. disse...

eu sempre achei que, se fosse prof, iria ter os testes e os apontamentos sempre os mesmos, e de ano para ano nao tinha de fazer nada, sem dar aulas. ja estava tudo feito :P

quanto ah impressora... bem, quando somos nos alunos a atrasarmo-nos na entrega de um trabalho por percalços como esses, nenhum prof perdoa! quando sao voces.. ai ai ai ai :P

beijinho

ANDARILHO disse...

P/ JS:

Por isso mesmo. O fim é sempre o pior...

ANDARILHO disse...

P/ SRRAJ:

Como tu sabes, eu não sou assim muito metódico e organizado. Acredita que, noutros tempos, já fui. :(

Bj

ANDARILHO disse...

P/ ´C.:

E tu julgas que quando eu tinha a tua idade também não pensava assim? É (também) por isso que eu adoro ler o teu blog. Revejo-me em muitas coisas do que tu escreves. Às vezes, enquanto leio, dou por mim a pensar "eu era assim". As tuas preocupações eram as minhas. :)

Beijo