sábado, 26 de setembro de 2009

Imagem100007

Eu  sei que não tenho actualizado isto como deve de ser. Não me tem apetecido escrever embora tenha assuntos, como sempre, sobre os quais poderia dissertar. O que acontece é que eu entendo o blog como um local para escrever superficialidades. Detesto blogs onde haja opiniões sobre assuntos que me façam pensar.  Já tinha escrito isto, dão-me uma seca desgraçada. Além do mais sinto-me mais exposto quando escrevo posts mais sérios, por isso evito-os.

Eu sou superficial em muitas coisas e gosto de ser assim mas não o sou sempre. Uma vez uma pessoa perguntou-me porque gostava eu de parecer mais superficial do que aquilo que de facto sou. E eu respondi: e porque não? Dá jeito! Cada vez mais sou menos profundo na maioria das coisas. Não me foco em quase nada que exija de mim muita dedicação. Num ápice aquilo que me motiva num dia, passa a dar-me seca ao fim de pouco tempo. Outra coisa surge de imediato e eu volto a interessar-me por mais uns tempos. Mas atenção. Se for um assunto que me interesse muito, mas mesmo muito, não desisto. Sou a pessoa mais persistente que pode haver. Concentro-me no que quero e não desisto enquanto não consigo, demore o tempo que demorar. Se para isso for preciso convencer um cego de que vê tudo na perfeição, eu convenço. Mas uma coisa também é certa. Cada vez menos há alguma coisa que me incomode de facto e que me faça reagir.

BEIJOS E ABRAÇOS

6 comentários:

Kika disse...

Essa "indiferença" e "afastamento" tem custos. E embora seja cada vez mais tentador escondermo-nos por debaixo de uma conveniente carapaça, acho que as vantagens de tal feito são muito perenes. Limitam-se a um momento. Momento que no entanto fica para sempre connosco e se vem a lamentar mais tarde.
Fugir à chatice pode ser conveniente mas não trás qualquer retorno. Protegemo-nos do mau, mas dificilmente conseguimos o bom.

Não gosto que faças isso. Farta de dizer. Magoas os outros e isso acaba por fazer ricochete em ti. Sabes disso. E perfeitamente.

Porque escolhes esse caminho? Não entendo.

Beijo

ANDARILHO disse...

P/ Kika:

Bem eu não estava a falar dos outros ou da minha relação com os outros. Estava a falar daquilo que me interessa e que são muitas coisas mas pouco aprofundadas. E não faço de propósito nem consigo controlar. De qualquer forma não percebo como isto pode magoar as pessoas pois até acho precisamente o contrário. O facto de estar muito mais permissivo e tolerante em relação a tudo evita dissabores com as pessoas. Coisas que antigamente eram essenciais e casos de vida ou morte, hoje em dia passam-me muito ao lado e nem arranjo problemas.

Beijo

JS disse...

Eu acho que a isso se chama o "refinamento" da idade...

Um abraço*

ANDARILHO disse...

P/ JS:

Bom, eu sempre fui um gajo do mais refinado que há, como é sabido. ;)

Mas sim, acho que tens razão, com os anos deixamos de querer rumar contra a maré. Há outras coisas que nos preenchem e que são suficientes para que fiquemos bem.

Beijo

Kika disse...

Maçada ter que voltar para esclarecer o que já devia estar mais que apreendido. A vida não são superficialidades. Nem falavas de refinamento no teu post. Falavas de não te estares para maçar com determinados assuntos. Ipsis Verbis. E é isso que eu condeno. E não compreendo.

ANDARILHO disse...

P/ Kika:

Os assuntos que são uma maçada e que apesar disso desgastam uma pessoa, são mesmo de evitar. Os escândalos que eu fazia por um ou outro pormenor que não estava como eu queria. Os enredos em que eu tinha de me meter para que tudo se alterasse. Agora penso: para quê? O desgaste compensa? Raramente. Actualmente estou muito mais selectivo nesse aspecto. Quando de facto o assunto me interessa MUITO ainda faço o que tenho de fazer. Por banalidades já não me mexo. É desgaste gratuito, por caprichos que na maioria das vezes não valem o stress em que ando metido.

Beijo