quinta-feira, 17 de junho de 2010

A minha intolerância

Um dos meus defeitos (os outros já mereceram um post) é a intolerância. Sou intolerante e não há nada a fazer em relação a isso. Mas não em relação a tudo, muitas coisas passo por cima, não dou importância, esqueço-me com o passar do tempo e outras que para outros são o fim do mundo, para mim até nem têm importância nenhuma. Sou muito intolerante em relação à mentira. Não àquilo que muita gente chama de mentira, ao exagero das coisas. Isso para mim é normal e eu até muitas vezes as uso com o objectivo de enfatizar uma situação qualquer. Por exemplo, já fizeste patinagem? Já fiz 1000 vezes, quando na realidade foram só 3 ou 4. Este exagero por si só mostra o ridículo, torna-se perceptível por quem o ouve e é interpretado como aquilo que é, exagero. Outras vezes somos questionados em relação a qualquer coisa e, no gozo, respondemos uma coisa que não corresponde à verdade muito embora quem nos conheça bem perceba que apesar de ter sido dito com o ar sério de quem está a afirmar a maior das verdades, tratou-se apenas de um disparate dito com ar sério. Já me aconteceu algumas vezes dizer disparates destes e as pessoas levarem a sério, mas não é este tipo de “mentiras” a que me refiro neste post. São as outras, as que são ditas de propósito, com o objectivo de justificarem atitudes que se tiveram e que com a argumentação normal não convencem ninguém. São as mentiras ditas com o objectivo de enganar e passar a ideia de que se agiu correctamente, dadas as circunstâncias. As utilizadas para justificar, por exemplo, a falta de rigor profissional. Resumindo, são as mentiras que se aplicam para não ter de assumir um erro. Pois eu aceito os erros todos. Todos. Estas mentiras não. Até podem ser mentiras relativas a coisas ridículas, mentirinhas mesmo, mas a intenção foi mentir. Não passo por cima disto. Não consigo mesmo. Às vezes os outros depois vêm ter comigo a dizer que foram coisas sem importância, que não tiveram mal nenhum e que não alteraram nada. Alteraram sim, alteraram a minha forma de ver a pessoa. Abalaram a minha confiança de forma irreversível. Não me permitem ter uma conversa banal de amigo porque simplesmente eu estou de pé atrás. Quem mentiu uma vez, vai voltar a mentir. É falta de carácter. Não foi só daquela vez, definitivamente vai repetir-se. E eu estou a olhar para a pessoa a falar e em vez de estar absorvido na conversa, a ouvir, estou à procura de qualquer coisa que não corresponda à verdade. A tentar distinguir os exageros normais, das mentiras. Por mais que tente voltar a brincar com a pessoa e ser eu mesmo, não há continuidade no meu comportamento porque eu vou sempre lembrar-me disto. Mas então perguntam as pessoas: se foi só uma mentirinha sem importância, porque não passar à frente e ficar preso a um erro que essa pessoa teve e que pode ter sido um caso isolado? Se mentiu por um disparate, mentirá sem dúvida quando se tratar de alguma coisa mais séria. Entretanto voltam à cabeça todas aquelas situações anteriores que nos pareciam meio fantasiosas mas que, por falta de evidências, fazíamos por acreditar. Possivelmente tudo foi mentira. Ou não. Não sei.

Hoje aconteceu-me isto. Uma amiga no meio de uma discussãozita sem importância mentiu. A mentira utilizada na argumentação nem sentido tinha e nem sequer me convenceu. E eu nem sequer duvidei. O pior foi pouco tempo depois, sem tão pouco ter conversado com ninguém e simplesmente por acidente, tê-la descoberto. Acabou. A pessoa nem sabe que eu descobri que mentiu, nem vai saber. Já não faço confrontações destas só porque acho que não valem a pena e porque não vão atenuar a minha futura desconfiança. Claro que quando confrontadas, estas pessoas têm resposta que justifique tudo. Pior ainda será utilizarem uma nova mentira. Acontece sempre. A única coisa que me faria voltar atrás seria um reconhecimento, mas estas pessoas não são capazes disso. Se vou deixar de falar? Não, não vou. Mas dificilmente a pessoa não irá notar uma diferença minha de atitude. Só porque não sou capaz. Só porque sou intolerante em relação a este tipo de coisas. Sou picuínhas nisto, pronto, assumo. Outros serão noutras coisas.

Beijos e Abraços

11 comentários:

Isabel Preto disse...

Eis uma coisa em que concordo inteiramente contigo! Para mim, se me mentem uma vez...acabou-se a confiança e essa pessoa perde todo o valor...Mesmo alunos, digo-lhes sempre que nunca perdoo a mentira.

Anónimo disse...

Concordo plenamente... Talvez por também não conseguir mentir, nem uma mentirinha daquelas banais que não fazem mal a ninguém... não consigo... Talvez por isso não suporto que me mintam...

Entretanto, ao ler o post, e antes de chegar à última parte... vi logo que alguém te tinha mentido...
Agora, curiosa que tou para saber quem e como foi... não sei se não perca a cabeça e gaste os últimos cêntimos de saldo e telefone-te...
E não me venhas cá dizer que queria arranjar desculpa para telefonar-te e ouvir a tua voz...NADA DISSO... é mesmo curiosidade!...

Bjs "verdadeiros"...
Just me

(que m***a, umas vezes aceita a minha password outras vezes não...lá terá de ir anónimo outra vez!)

ANDARILHO disse...

P/ Isabel:

Pois eu também perco todo o respeito e não há forma de voltar a conseguir tê-lo. Às vezes até tento, mas não consigo desculpar. Pena é ser uma mentirinha que nem adiantou nada, mais valia que fosse uma daquelas coisas em grande. Mas não... LOL

No caso dos alunos não sei bem, mas sendo miúdos acho menos mal (ou talvez não, nem sei).

ANDARILHO disse...

P/ Just me:

Gasta lá o dinheiro comigo. O último telefonema fui eu que o fiz e fizeste-me gastar um balúrdio. Também posso dizer que quero ouvir a tua voz (até te dá jeito porque assim não tens de reconhecer que me queres tu ouvir e num ápice telefonas para demonstrar a tua bondade para comigo).

Mas podiamos falar de outros assuntos mais interessantes. Temos tantos! Ou até podemos falar deste, tou nem aí e tu até conheces... Enfim há uma infinidade de notivos para me telefonares. Esta noite não porque estou ocupado e amanhã de manhã também não. Amanhã a partir das 11.30h sou todo teu. TODO, leste bem. Até podes abusar de mim (eu deixo).

BEIJOS

JS disse...

Sabes, eu também sou picuinhas e podem passar 500 anos que eu não me esqueço de nada. São as tais pedrinhas na alma, se me fica uma acabou.

Um abraço*

ANDARILHO disse...

P/ JS:

Pois eu sei. Lembro-me de ter lido um post teu sobre isto em que me identifiquei muito.

Beijo

' Claudjinha disse...

Compreendo-te quando dizes que há coisas que não te chateiam e chateiam a maioria das pessoas, e vice-versa. Geralmente sou muito tolerante em relação à maior parte de atitudes das pessoas (até às mais desprezíveis), mas outras há que me tiram do sério. lol.

olha, como te disse há algum tempo atrás, já fiz e publiquei a minha "Bucket List" ;)

beijinhos

Madame Butterfly disse...

Sou intolerante relativamente a muitas coisas mas quanto à mentira, acho que tenho um critério diferente do teu.

Na minha opinião há mentiras e mentiras. Há aquelas que não prejudicam ninguém e para essas não estou nem aí. E depois há as outras, aquelas que fazem toda a diferença.

Não tenho tendência para a mentirinha fácil pois sou o mais sincera possível, o que regra geral só me prejudica pois a maioria das pessoas gosta de mentiras, desde que sejam agradáveis ao ouvido.

Quando é para mentir, faço-o em grande. Não é meu hábito mas não posso dizer que nunca o tenha feito...

Beij*

ANDARILHO disse...

P/ ´Claudjinha:

Pois então pensamos da mesma forma. Há coisas que me passam ao lado e que não lembram ao diabo. Qualquer pessoa normal ficaria doida e a mim nem me aquece nem me arrefece.

Agora vou já saber o que tens na Bucket List.

Beijo

ANDARILHO disse...

P/ Madame Butterfly:

Pois eu concordo quando dizes que há as mentiras sem importância e as que fazem toda a diferença, como aliás referi no post. O meu problema é que acho que quem diz umas com facilidade dirá de certeza as outras.

E o problema ainda maior é que eu depois das primeiras fixo-me (estupidamente, assumo) na procura de todas as eventuais outras.

Bj

Anónimo disse...

"E tu até conheces"? Quem a pessoa em questão???... Assim fico ainda mais curiosa!
Ok...telefono-te, mas no fim-de-semana não dá. Telefono-te segunda...(até porque tenho de carregar o telemóvel até lá)...

E assim faço logo 2 em 1, satisfaço a tua vontade de ouvires a minha voz e... lá se vai o meu saldo!

Bjs :)
Just me