sábado, 24 de março de 2012

Andarilho, o agricultor

Não tendo eu nada de urgente que fazer, resolvi ir ler para o carro, junto à praia. Gosto de ir para lá aos fins de semana quando estou sozinho. Hoje nem passei da segunda folha. Lembrei-me que deveria dedicar-me à agricultura e num ápice meti-me a andar dali para fora, decidido a comprar os artigos. Vasos tenho com fartura, da altura em que tinha flores no terraço. Refiro-me a antes de ter as gatas. Tudo o resto não tinha.
Não se pense que fui comprar as sementes e a terra ao jumbo ou um outro supermercado qualquer. Nada disso. Fui direto a uma loja especializada. Pensei logo que as sementes eram de melhor qualidade e que o resultado era mais garantido. 

Comprei sementes de salsa, coentros, hortelã, rúcula (é a minha adoração mais recente), beldroegas (adoro na sopa) e manjericão. Num acesso de loucura comprei também 50 litros de terra. Um investimento, pensei.

Vim de lá com as instruções todas do dono da loja. Para já meti as sementes no frigorífico (ordem dele). Amanhã (era só para fazer depois de amanhã, mas eu não sou de esperar) vou metê-las na terra, tapar com um jornal ou um saco de plástico para proteger durante uns dias, até as plantas crescerem e ficarem fortes. Depois vou esperar, cuidar delas e arranjar receitas que levem aquelas ervas. Numa fase posterior, estou a pensar vender, anuncio que são ervas aromáticas biológicas e cobro um dinheirão. Conto enriquecer dentro de pouco.
B. e A.
*Claro que tenho o problema das gatas contornado. Não, não as matei. Vou meter os vasos no terraço da parte de trás da casa, onde nunca ninguém vai.

Sem comentários: