quinta-feira, 24 de julho de 2014

Updatezinho do post anterior: Everything resolvido.
(nota: não usei o google tradutor, pelo que é favor desculpar qualquer palavra estrangeira que se encontre com um erro ortográfico) 
B. e A.
Mas será possível que eu tenho sempre de estar em stresse?
Acordei cedíssimo e fiz um monte de km para resolver um assunto. Consegui voltar sem o resolver e ainda arranjei outro stresse porque em vez de ter dito que não a uma pessoa, resolvi dizer que sim. E porque fui eu dizer que sim a uma coisa que eu à partida já sei que não vou querer fazer?
Agora resta-me deitar-me no sofá da sala a repousar para depois fazer um telefonema e dizer, finalmente, que não.
B. e A.

terça-feira, 22 de julho de 2014

Embora tenha sido a primeira vez que isto me aconteceu, no fundo, é mais do mesmo.
Há umas semanas fui de manhã à praia. Sozinho porque os miúdos quiseram ficar em casa, para não variar. Uma vez que não lhes tinha deixado o almoço pronto, por volta do meio dia e meia resolvi voltar para casa. Estava cheio de areia nos pés e no saco onde tinha a toalha e o resto das coisas. Para não sujar (como se o carro estivesse limpo, mas pronto), resolvi abrir a porta do lado do acompanhante e coloquei as chaves do carro, a carteira e o telemóvel em cima do banco enquanto metia o saco no chão do carro. Fechei a porta, limpei os pés e dei a volta para entrar pela porta do condutor. Neste meio tempo ouço um barulho. O carro trancou-se. O cabrão tranca automaticamente quando não tem a chave na ignição. Morri. As chaves do carro, o telemóvel e a carteira tinham ficado lá dentro, em cima do banco. Joguei as mãos à cabeça e devo ter feito uma cara de desespero tal que um velho que estava relativamente perto do meu carro me perguntou se estava tudo bem.
- Não! Está tudo MAL!!!!
- Então?
- O carro trancou-se com as chaves, telemóvel e carteira lá dentro. O senhor importa-se de me fazer o favor de me dar boleia até à minha casa para ir buscar as chaves suplentes e depois de me trazer de volta?
E lá vim eu no carro do homem até minha casa com a mão no nariz porque não aguentava o fedor que o homem deitava. E depois voltar até à praia novamente de boleia. E com a mão no nariz.
B. e A.

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Às vezes pergunto-me:
Depois penso. Se não fosse assim, não era ainda pior?
B. e A.

domingo, 20 de julho de 2014

Estou farto de fazer comida. Farto. É só para registar, para mais nada.
B. e A.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

T


Há muito tempo que eu decidi que tenho de me enfiar aqui em frente a fazer pose para as fotos. E agora, finalmente, falta pouco.
Já tenho tudo meio planeado. Mais planeado do que eu gosto de ter porque entretanto descobri que para nos movimentarmos na Índia temos de andar de comboio a torto e a direito e que os bilhetes não se compram em cima do joelho. Isto obrigou-me a fazer já todo o roteiro da viagem e a definir todos sítios onde vou e em que dias vou.
E onde é que eu vou permanecer mais dias? Onde é, onde é? Fácil! Podia mandar-vos ir para baixo ler em posts antigos, mas não. Eu digo tudo (mais do que devia, eu sei). Jaipur. :)
Entretanto, já que estou perto, resolvi que vou também quatro dias ao Nepal. É pouco, mas sempre dá para ter uma ideia. O Nepal não é um destino que eu à partida tivesse mesmo, mesmo, mesmo que ir. Vamos lá ver se depois não me apetece voltar, mas isso depois vê-se.
B. e A.

domingo, 13 de julho de 2014

Parece impossível que tenho levado as duas últimas semanas sem ter nada que fazer e hoje, em pleno domingo, tive de retomar o trabalho. Levei a tarde toda (ainda não acabei) a preparar uma reunião de c. geral. Não, não é para amanhã. A reunião é só na quinta-feira ao fim do dia, mas não tenho tempo de prepará-la na véspera, como é hábito. Amanhã consigo ter logo uma vigilância e três reuniões. A seguir às reuniões ainda tenho de ir para Lisboa porque preciso de lá estar na terça de manhã. Quarta e quinta-feira continuo em Lisboa a resolver, decidir e tratar de coisas (e passear, é claro). Quinta-feira tenho de voltar para a dita reunião. Sexta-feira entro de férias. Uffffffffff.........
B. e A.

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Ontem resolvi aceitar um pedido de amizade no facebook. Olhei para as fotos e nada a não ser fotos de gatinhos e afins. Resolvi mandar mensagem.
Eu: Olá. Quem és tu?
Ela: Sou alguém que não conheces.
Eu: E porque me pediste amizade?
Ela: Peço desculpa deve ter sido engano.

Já foste. Resposta errada. Amizade removida.

Nota: Mais de 2000 amigos no facebook. Mas deve ter sido engano.
B. e A.