terça-feira, 30 de setembro de 2014

Estou gordíssimo (note-se que eu sou dado a exageros, não tirem ilações que não correspondem à realidade) (Obrigado). Normalmente antes do verão faço sempre uma dieta semi rigorosa para perder dois kg que correspondem precisamente ao aumento da minha barriga durante o inverno. Este ano não tive tempo para planear e me preocupar e, por isso, mantive o peso durante todo o verão. Mantive é como quem diz, se resolver andar em preciosismos desnecessários terei de escrever aqui que ainda consegui aumentar mais dois quilos. Resumindo: teria de dizer que tenho 4 quilos a perder. A bimby nova não veio ajudar. O cabrão do "mundo à distância de um toque" está a dar cabo de tudo. A toda a hora tenho de experimentar as receitas do novo livro base, tenho de praticar o modo guiado de receitas, as receitas automáticas, etc e tal.
Esta semana estou decidido a inverter a situação. Se não der conta dos kg agora, não sei como vai ser.
B. e A.

domingo, 21 de setembro de 2014

O que eu estou a fazer, o que é? Obviamente colado ao ecrã a ver a Casa dos Segredos!
Offline, portanto.
B. e A.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Custa-me sempre tanto recomeçar a trabalhar. Fico sempre a pensar que o bom tempo está a acabar e que vou ter de esperar tempos sem fim para que as férias de verão voltem outra vez. O horário até é bom, com 2ª de manhã e 6ª à tarde livres. O problema é mesmo TER de trabalhar.
Este verão foi tão diferente. Foi o primeiro em que quase não estive com os miúdos, que se cravaram na casa do meu pai as férias todas.
Levei os primeiros 15 dias de agosto na esperança que o tempo não passasse e na dúvida se iria viajar nos segundos 15 dias, como tinha previsto. A pessoa que ia comigo não pôde ir. Não dava para alterar a data da viagem, nem para mudar o nome, nem para ser reembolsado. Decidi ir quase na hora.
Fui sozinho e, pela primeira vez, estive sempre acompanhado. Sempre com vontade de chegar ao hotel e contar tudo. 
Gostei tanto deste verão.
B. e A.

terça-feira, 16 de setembro de 2014



Fiz tantas compras na Índia que quando estava a apanhar o avião para o Nepal, tive de pagar excesso de bagagem. Em vez dos 12 Kg que tinha levado, já estava com 25 Kg na mala de porão, mais uns 10 Kg em bagagem de mão. Ao ponto de não me caber nem uma caneta na mala. Tive de vir com ela na mão.
Cheguei ao Nepal e assim que tratei dos imprevistos que me aconteceram (colam-se a mim como lapas, os imprevistos), desatei à procura de sítios para me desfazer dos 5 kg que tinha a mais. Caso contrário não podia comprar um alfinete que fosse. Vi vários sítios e resolvi-me por um que me pareceu honesto. Mandavam as coisas para Portugal e davam a garantia que chegava tudo dentro de uma semana à porta da minha casa. Decidi encher um caixote com 16 Kg (entretanto já tinha comprado no Nepal um tapete que pesava 6 Kg...) e pensei que estava com o meu problema resolvido. Pensei. Pois. No aeroporto de regresso a Delhi fui confrontado, mais uma vez, com um excesso de bagagem de 12 kg. Não sei como. Pensava eu que só tinha comprado coisinhas levezinhas. Não, tudo pesa. TUDO.
Depois de chegar a Portugal, passou uma semana e nada da minha encomenda chegar. Inclusivamente, quando tentava fazer o traking da encomenda na internet, dava-me "objeto não encontrado". Estava já semi desvairado por causa do tapete e de outras coisinhas sem grande importância. E estava só semi porque quando escolhi as coisas para entregar à transportadora já calculava que haveria uma forte possibilidade daquilo não me chegar a casa. Por isso escolhi a dedo aquilo que não viria comigo no avião. 
E não é que hoje chegou a encomenda completa? TUDO. Tinha feito uma listinha de todos os artigos que tinha embalado e chegaram todos ao destino. Gostei e vou repetir futuramente. Não estou mais para me preocupar a pensar não posso comprar isto e aquilo porque é pesado. Gosto, compro e envio. Um novo mundo se abriu

(Um dia destes ainda cá venho contar o essencial da minha viagem à India e ao Nepal. Hoje ainda não é o dia porque não estou com vontade de escrever.)
B. e A.

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Se eu pudesse...
Recuava um mês no tempo. Voltava a dia 4 de agosto (à noite) e fazia o tempo andar muiiiiiiiiito devagarinho.
B. e A.